agencia

Notícias

Domingo, 27/10/2013 - 08h59

Saúde avança nos primeiros 10 meses de gestão Edivaldo

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

No décimo mês de gestão, uma série de melhorias está sendo realizada na infraestrutura do sistema de saúde em São Luís.No décimo mês de gestão, uma série de melhorias está sendo realizada na infraestrutura do sistema de saúde em São Luís. Projetos de construção, reforma e ampliação de unidades de saúde foram submetidas ao Ministério da Saúde e várias delas já encontram-se em obras. Cinco novas serão criadas e outras 16 passarão por mudanças para melhor funcionamento com a aquisição de novos equipamentos.

O prefeito Edivaldo Holanda Júnior anunciou na última semana a construção de uma nova maternidade de grande porte que integrará a Rede de Saúde de São Luís. O projeto da unidade de saúde terá em sua estrutura 120 novos leitos, sendo 100 para internações e 20 leitos de UTI (10 infantis e 10 neonatais). O recurso de R$ 25 milhões para a construção já está pré-aprovado pelo Ministério da Saúde. O projeto arquitetônico da maternidade está pronto e o projeto executivo em fase de conclusão.

Também está em curso a reforma da Unidade Mista do Coroadinho, que realiza por mês cerca de 3,5 mil atendimentos voltados para a Atenção à Criança e à Mulher (pré-natal, ginecologia, preventivos de câncer de mama e de útero, planejamento familiar); Atenção ao Adulto (controle da hipertensão e diabetes); e programas de controle da Tuberculose, hanseníase, DST/Aids e Saúde dos Adolescentes.

A Unidade do Coroadinho funciona 24h como urgência/emergência e mantém leitos de internação, laboratório e sala de pequenas cirurgias. Na reforma estão sendo realizados reparos que vão da rede elétrica e hidráulica até a reconstrução do telhado.

No Centro de Saúde José Carlos Macieira, no Filipinho, as obras já estão em fase de conclusão. A unidade é uma das que passam por reformas totais que vão desde pintura a instalações das redes elétrica e hidráulica. Com a reforma, o Centro de Saúde, que há dois anos não funcionava, atenderá uma média de 400 pacientes por mês.

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

O Hospital Djalma Marques (Socorrão I) também passará por reformas e adequações, além de receber novos equipamentos. Uma nova área com cerca de 2 mil metros quadrados já foi identificada nas proximidades da unidade hospitalar para sua ampliação, o que aumentará a capacidade de atendimento. A projeção é que a estrutura que será implantada no anexo conte com 250 novos leitos, sendo 50 deles de tratamento intensivo. Atualmente, a estrutura do hospital conta com 130 leitos, sendo 25 de UTI. O Socorrão I passará ainda por reformas nas enfermarias, centro cirúrgico e sala de procedimentos, além de melhorias nas redes elétrica e hidráulica.

O Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Hospital Djalma Marques também foi reativado. Este tipo de atendimento é voltado para casos de menor gravidade como dores de cabeça simples, gripes e outros procedimentos simples e encontrava-se, praticamente, fechado no início da gestão. Aproximadamente 3,5 mil paciente são atendidos pelo SPA ao mês.

Já o Hospital Clementino Moura (Socorrão II) terá a UTI ampliada e ganhará novos leitos, além de receber uma nova estrutura na área de apoio para acompanhantes e de atendimento nos exames de tomografia. Três novas salas de cirurgia ortopédica, reforma da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e a criação de novos leitos no Hospital Clementino Moura (Socorrão II) já estão em tramitação.

Para diminuir o número de pacientes internados nos corredores do hospital que aguardavam por cirurgias foram realizados mutirões no próprio Socorrão II e em parceria com a Santa Casa de Misericórdia. A ação resultou até agora em cerca de 200 cirurgias ortopédicas. Uma nova etapa do mutirão, agora com casos de maior complexidade já está programada, através de parceria com o Hospital Universitário Presidente Dutra.

O Socorrinho do Cohatrac que serve também como leitos de retaguarda para os pacientes em pós operatório ortopédico do Clementino Moura e encontrava-se praticamente fechado na gestão passada, teve seu atendimento totalmente restabelecido, com a normalização das escalas de trabalho dos profissionais e a chegada de novas equipes. Hoje, além do suporte ao Socorrão, o Socorrinho realiza cerca de três miL atendimentos por mês.

O Hospital Dr. Odorico Amaral de Matos (Hospital da Criança) já passa por adequações. Lá, serão criados centro cirúrgico, sala de esterilização e a enfermaria de urgência e emergência receberá melhorias para que sejam implantados 18 novos leitos. Passarão ainda por reformas o lactário, a brinquedoteca, a cobertura do prédio e a rede elétrica e hidráulica, com a criação de um sistema de escoamento de águas pluviais.

Cerca de 40 mil atendimentos são realizados por mês no Hospital da Criança em especialidades como neurologia, odontologia, gastroenterologia, fonoaudiologia, fisioterapia, dermatologia, entre outros. Diretamente na unidade são realizados ainda exames como raio-x e ultrassonografia, além de outros de menor complexidade.

RETAGUARDA

Mais de 100 leitos de retaguarda para pediatria e ortopedia foram criados e, através da parceria com a Santa Casa de Misericórdia, mais 35 foram disponibilizados para desafogar o atendimento no Socorrão I. Serviços como exames laboratoriais e de imagem, internações e atendimento ambulatorial também foram normalizados na unidade de saúde.

O secretário municipal de saúde, Cesar Felix, lembrou o estado de calamidade com que foi encontrada a saúde no município com diversos contratos de fornecimento de medicamentos, insumos básicos e alimentação irregulares ou até inexistentes, o que criava uma situação de caos e atingia diretamente o atendimento à população.

"Nós temos uma rede de saúde que atende a 126 municípios, abrangendo uma população de quase quatro milhões de pessoas, que se encontrava com suas 87 unidades precisando de reformas e adequações urgentes, com iminência de paralisação e colapso total. Serviços básicos como limpeza, manutenção predial e vigilância das unidades de saúde, por exemplo, estavam parados por falta de pagamento. Diversos convênios e contratos estavam vencidos", relembra Cesar Felix.

Dos 180 veículos que integravam a frota da Secretaria de Saúde, apenas 21 estavam em condições de uso. Hoje, novos veículos (carros e motos) reforçam o trabalho de setores como a Vigilância Sanitária e Epidemiológica, além de programas como o Saúde da Família e Saúde Mental, e dão suporte às ações rotineiras da Secretaria. Dez novas ambulâncias para atendimento básico foram adquiridas para apoiar as unidades de maior demanda.

SAMU

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), projeto que é referência em todo o país pelo atendimento de qualidade e de grande reconhecimento prestado à população estava, praticamente, inoperante. Dos mais de 20 veículos que compunham a frota, apenas três funcionavam e de forma precária. E, ainda assim, com problemas no abastecimento de combustível derivado de atraso no pagamento aos fornecedores.

Para mudar este cenário, foram recuperados veículos e adquiridas novas unidades de atendimento, entre ambulâncias, motolâncias e veículos de intervenção rápida. Hoje, o Serviço encontra-se totalmente normalizado e realiza por mês mais de cinco mil atendimentos. Outro trabalho importante realizado com o SAMU foi a conscientização da população sobre os trotes constantemente sofridos pelo telefone do serviço, o 192. Neste período de gestão, o número de ligações com esta finalidade que chegava a um patamar de 30%, caiu para menos da metade, o que resulta em um atendimento com um tempo cada vez menor às chamadas reais.

A descentralização de ambulâncias do SAMU para diversas regiões da cidade também pode ser destacado. A ação que levou veículos para pontos como o Hospital da Criança, São Cristóvão, Cidade Operária e Zona Rural de São Luís deu maior rapidez aos deslocamentos. De janeiro até agora, há um aumento registrado de mais de 300% nos atendimentos realizados pelo SAMU

ATENÇÃO BÁSICA

Para fortalecer a Atenção Básica à Saúde, a Semus ampliou o número de equipes do Programa Saúde da Família (PSF) na capital. Hoje, 104 equipes atuam no atendimento diário nas unidades de saúde em São Luís na prevenção do agravo de doenças, no diagnóstico, tratamento e reabilitação. Em janeiro, apenas 80 equipes faziam parte do quadro da Semus, o que representava 27% de cobertura da população. Dessas 80 equipes, 25 delas não tinham médicos em sua configuração. Com a inserção das novas equipes, a cobertura do PSF passou para 35% da população e atingiu a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde para o contingente populacional atendido.

Através do Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab) mais 45 novos médicos foram inseridos no atendimento nas unidades básicas de saúde e nove profissionais foram integrados em unidades através do Programa Mais Médicos. Esses profissionais atuam em regiões com maior carência nesse tipo de serviço. Nos próximos dias, mais seis profissionais do Mais Médicos serão integrados às equipes de saúde.

ATENÇÃO AO IDOSO

Com o Centro de Atenção a Saúde do Idoso (Caisi) em pleno funcionamento, a Semus realiza cerca de seis mil atendimentos ao mês para este público através de médicos, enfermeiros, preparadores físicos, terapeutas, nutricionistas, entre outros profissionais. Estão cadastrados no Caisi, que fica no Filipinho, 11 mil idosos de diversas regiões da cidade. Além dos tratamentos de saúde, no Centro, os idosos podem participar de diversas atividades culturais.

CONTROLE

Através da Vigilância Sanitária e Epidemiológica, a Semus vem conseguindo expressivos resultados no controle de endemias. Com campanhas exitosas de vacinação que atendem ao calendário nacional, a Vigilância tem conseguido mobilizar e conscientizar grande parte da população para os períodos de imunização e conseguiu normalizar os estoques nas salas de vacinação, além de ampliar o número desses setores, aumentando a oferta à população.

Neste momento, a Vigilância Sanitária realiza uma grande campanha de vacinação antirrábica em São Luís. Na primeira fase da campanha, realizada em junho, mais de 80 mil animais foram imunizados. Agora, na segunda etapa, com as equipe de vacinação indo diretamente nas residências (operação porta-a-porta) mais de 100 mil animais, entre cães e gatos, já receberam a dose da vacina, superando antecipadamente a meta estabelecida que era de 90 mil. A expectativa é que sejam alcançadas até o final da campanha, em novembro, 130 mil animais.

No último ano, mais de 50 casos de raiva foram registrados na região metropolitana de São Luís. Em 2013, menos de 10 casos foram detectados até o momento, o que já é considerado como um reflexo direto das ações realizadas desde o início deste ano, quando o Centro de Zoonoses realizou diversas barreiras sanitárias em localidades com suspeitas de casos da doença, além de vacinações durante ações sociais em comunidades carentes.

O Combate à Dengue também tem sido foco constante das ações da Prefeitura. Com um trabalho incansável das equipes de agentes de combate à doença, os números de casos registrados até agora são bastante positivos, havendo uma queda em relação aos números apresentados no mesmo período do ano anterior. Além de ações pontuais como vistorias a imóveis, também são realizadas, constantemente, ações de mobilização da população onde é realizado um trabalho educacional.

Ainda com foco no controle das endemias, foi inaugurado o primeiro Serviço de Atendimento Especializado (SAE) em Hepatites Virais Municipal do estado. Com o ambulatório, São Luís passou a ser o primeiro município maranhense a ter uma estrutura especializada no atendimento às Hepatites Virais. Além de realizar os testes específicos para detectar a doença, o Serviço faz a distribuição diária de preservativos masculinos e femininos e das orientações acerca das hepatites e suas formas de prevenção, além de disponibilizar a vacina contra a hepatite B.

Outro trabalho importante também realizado pela Vigilância Sanitária é a fiscalização de estabelecimentos comerciais e produtos com o intuito de orientá-los para a oferta de um serviço com melhor qualidade à população, dentro das normas sanitárias necessárias. Este trabalho é realizado também de forma educativa junto a escolas, associações e em eventos que ofertem serviços como o de alimentação, por exemplo.

DIÁLISE

No último mês, a Prefeitura de São Luís firmou convênio com uma instituição local para dar uma maior celeridade ao atendimento de pacientes renais crônicos. De imediato, 108 pacientes dos hospitais Socorrão 1 e 2, além de outros que faziam o tratamento na rede estadual, foram beneficiados. Dezesseis novas máquinas estão operando exclusivamente para este tipo de atendimento. A medida reflete diretamente na diminuição do número de macas nos corredores desses dois hospitais.

Além das ações citadas, diversos outros projetos estão em fase de desenvolvimento pelas equipes da Secretaria de Saúde. Até o final do ano, cinco Centros da Atenção Psicossociais estarão em atividade no município; Programa de atendimento a usuários de drogas estará nas ruas; mais unidades de saúde estarão sendo reestruturadas; novos serviços e equipes profissionais serão integradas.

"Uma série de melhorias serão implementadas para dar um atendimento de saúde digno para a população ludovicense, conforme determinação do prefeito Edivaldo Holanda Júnior", ressaltou o secretário Cesar Felix.