agencia

Notícias

Atualizado em 28/12/2016 às 18h03

Galeria Trapiche e Chão SLZ promovem roda de conversa sobre arte e violência

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Dando continuidade às ações formativas no campo da produção contemporânea das artes visuais, o Chão SLZ, em parceria com a Galeria Trapiche, realizam, nesta quarta-feira (4), às 19h, a roda de conversa "Zona de Perigo", com o curador e artista visual Divino Sobral, no equipamento cultural da Prefeitura de São Luís, localizado na Avenida Vitorino Freire, em frente ao Terminal de Integração da Praia Grande.

A roda de conversa abordará um recorte da produção contemporânea brasileira que problematiza violência e criminalidade por meio da relação entre obras de Clarice Lispector, Hélio Oiticica, Cildo Meireles, Alberto Bitar, Alexandre Vogler, Armando Queiroz, Dalton Paula, Éder Oliveira, Felipe Steinberg, Helô Sanvoy, Leandro Lima e Gisela Motta, Marcela Tiboni, Rodrigo Albert, Rosângela Rennó e Zé de Rocha.

"Esta é mais uma ação da Galeria que está diretamente ligada ao processo de formação e também de preparação para o próximo Salão de Artes no que se refere à produção artística contemporânea. O momento vai ser de grande aprendizado para todos nós do segmento artístico da cidade", destacou a diretora da Galeria Trapiche, Camila Grimaldi.

Divino Sobral vai refletir sobre as questões éticas, ponderando sobre o animalesco instinto humano da agressividade e sobre as implicações históricas, sociais e econômicas da violência e da criminalidade no Brasil, analisando diferentes maneiras como os artistas trabalham com as armas, os tiros, as cenas dos crimes, as vítimas, os criminosos, a segurança pública, as atrocidades das distorções sociais do preconceito, bem como os métodos de execução penal e de recuperação de criminosos.

PERFIL

Divino Sobral é artista, pesquisador, curador independente e galerista. Foi com sua pesquisa sobre a violência na arte brasileira que recebeu o Prêmio Curadoria do Prêmio Marcantônio Vilaça CNI/SESI/SENAI (2015) e o Prêmio Crítica de Arte do "Situações Brasília" - DF (2014).

Sua produção artística foi exibida na 2ª Bienal do Mercosul e na 8ª Bienal de Havana (Cuba), entre outras mostras, e está representada em coleções públicas como Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Museu de Arte Contemporânea do Paraná e Museu Nacional da República. Como ensaísta, publica regularmente sobre arte brasileira. Foi membro da Comissão de Premiação de duas edições do Salão de Artes Visuais de São Luis.