agencia

Notícias

Atualizado em 17/04/2017 às 13h52

Ações da Prefeitura de São Luís reduzem em 80% os casos de dengue no município

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Ações da Prefeitura de São Luís reduzem em 80% os casos de dengue no município Nos quatro primeiros meses deste ano, houve redução de 80,81% no registro de casos notificados de dengue no município de São Luís em relação ao mesmo período de 2016. A redução do número de casos foi possível graças às ações sistemáticas de combate ao Aedes aegypti e às campanhas de prevenção implantadas pela Prefeitura de São Luís na gestão do prefeito Edivaldo. Entre janeiro e abril de 2017, foram 326 casos notificados. No mesmo período do ano passado, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) havia registrado 1.699 casos.

"Estamos empenhados no combate ao Aedes aegypti e não medimos esforços para continuar reduzindo a incidência da doenças causadas por este mosquito em nossa cidade. Graças ao trabalho que estamos desenvolvendo nos últimos anos, temos melhorado sistematicamente esses indicadores. As nossas ações de prevenção tem alcançado todos os bairros da capital e contribuído para esclarecer os moradores e reduzir os focos", afirmou o prefeito Edivaldo, que também pediu apoio da população no combate ao mosquito.

"Essa é uma guerra que só venceremos com a ajuda da população, tanto evitando criar ambientes em que o mosquito possa depositar seus ovos, quanto recebendo em sua casa os agentes de endemias", finalizou o prefeito.

A secretária de Saúde, Helena Duailibe, reforçou a importância do serviço realizado pela Prefeitura. "Esta melhoria nos indicadores concretiza um compromisso do prefeito Edivaldo para a área da Saúde. Seguimos trabalhando em ações efetivas e intensivas de combate ao mosquito. Os bairros recebem gradativamente atividades emergenciais no período de sazonalidade, que vai de janeiro a junho, mais propício para a proliferação das doenças causadas pelo Aedes, além de ações de rotina durante todo ano", declarou a secretária municipal de Saúde, Helena Duailibe.

Até o fim deste mês, a Semus deve reforçar o combate ao mosquito junto à população com o lançamento de mais uma campanha estratégica de esclarecimento sobre a eliminação do mosquito Aedes aegyti, transmissor da dengue, chikungunya e zika. Segundo o coordenador de vigilância sanitária do município, Pedro Tavares, o controle deverá ser reforçado a partir do mês de maio, após o período de chuvas mais intensas. “No ano passado, neste período, os focos estavam mais dentro das residências, que são os depósitos preferenciais da criação do Aedes aegypti”, explica o coordenador.

Como estratégia para o combate do mosquito e eliminação de focos, a Semus dividiu o município em oito áreas distritais. A secretaria tem realizado de forma rotineira visitas a domicílios na cidade. O serviço é feito pelos 325 agentes de combate à dengue que atuam nas distritais.

CONTRIBUIÇÃO


Para o coordenador Pedro Tavares, a colaboração da população no combate ao mosquito continua sendo fundamental para manutenção dos baixos índices. As recomendações de limpezas de reservatórios e evitar o represamento de água estão entre as medidas com maior eficácia e bons resultados.

A universalização da cobertura do município de São Luís tem sido realizado pelas equipes em visitas com intervalos em torno de 60 dias, conforme instrução do Ministério da Saúde. Dentro deste prazo, cada agente realiza visitas em mil imóveis.

A coordenadora de equipe, Rosalva Amorim Alves aponta a resistência de moradores como o principal obstáculo para combater o mosquito. Diariamente, os agentes visitam em torno de 25 a 30 casas. “De cada 100 casas visitadas, encontramos pelo menos 20 fechadas. Geralmente são nestas que se encontram os focos”, contabiliza Rosalva Alves.

O estudante de engenharia mecânica, Mateus Vilar, 19, morador do bairro da Alemanha há 10 anos, acha importante as visitas das equipes da vigilância. “Aqui em casa não houve casos de dengue. Temos o cuidado de observar sempre os depósitos de água. A visitas das equipes também muito contribui para que não haja focos”, afirma Mateus.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem