agencia

Notícias

Atualizado em 31/05/2017 às 16h13

Programa da Prefeitura de São Luis ajuda pacientes a deixar o vício do cigarro

Programa Municipal de Combate ao Tabagismo ajuda pacientes a deixar o vício do cigarro Programa da Prefeitura de São Luis ajuda quem quer parar de fumar Programa da Prefeitura de São Luis ajuda pacientes a deixar o vício do cigarro

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Programa da Prefeitura de São Luis ajuda pacientes a deixar o vício do cigarro
A Prefeitura de São Luís por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), promoveu uma programação especial esta semana para marcar o dia Dia Mundial Sem Tabaco, celebrado em 31 de maio. A ação foi desenvolvida nas sete unidades de saúde da rede municipal nas quais é implantado o Programa Municipal de Combate ao Tabagismo. O serviço conta com a parceria do Hospital Universitário Presidente Dutra, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Até o fim deste ano, a Prefeitura pretende expandir o serviço para outros consultórios na cidade para reforçar o programa. A meta é instalar um consultório em cada uma das divisões regionais de saúde. O programa é formado por equipes multidisciplinares com enfermeiro, terapeuta ocupacional, psicólogo, fonoaudiólogo e nutricionista.

"Estamos realizando um diagnóstico situacional para que avancemos ainda mais nos resultados, alcançando o percentual chega até 60% de êxito nos pacientes inscritos no programa", explica a titular da Semus, Helena Duailibe. 

TRATAMENTO

O tratamento tem duração de dez semanas, com aplicação de adesivos e medicamentos fornecidos gratuitamente pelo SUS. Para Tatiany Fernandes, coordenadora de Saúde do Adulto da Semus, o principal entrave para elevar a taxa positiva de resultado está na evasão.

"O objetivo é fazer com que o paciente venha à unidade e desenvolva com a equipe médica estratégia para que possa diminuir primeiro o consumo do tabagismo e futuramente venha a fazer uma retirada completa de forma abrupta ou gradual", explica o terapeuta ocupacional Bruno Amadeu, da Unidade de Saúde da Família Amar, na Vicente Filho.

Na unidade 15 pessoas estão sendo atendidas pelo consultório do Programa Municipal de Combate ao Tabagismo. Segundo o profissional de saúde, a estimativa de pacientes que conseguem êxito com o programa é relativa, considerando que alguns destes pacientes mantêm a abstinência enquanto outros sofrem recaídas. Por isso, os consultórios trabalham com terapias de previsão de recaída. As unidades garantem o retratamento, a partir da fase inicial, dos pacientes reincidentes.

O empresário Jorge Wilkinson, 28 anos, está há quatro semanas em grupo de atendimento do programa na Amar. "Estou achando fantástico. Não tive nenhuma recaída até o momento. Não sinto desejo, nem vontade alguma de fumar. Utilizando as medicações a melhora é significativa nos sintomas e ajuda muito a deixar o vício", explanou Wilkinson. Semanalmente, o paciente retorna à unidade para receber medicamento. Ele está na fase do adesivo de nicotina.

O atendimento nas unidades ocorre de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h. A previsão do tratamento com resultado positivo é de oito sessões. Os grupos são formados por pessoas com idade entre 30 e 45 anos, a maioria do sexo masculino e muitos deles usuários de múltiplas drogas, acrescentada à nicotina. De acordo com a complexidade do diagnóstico, as unidades encaminham os pacientes para os CAPs AD.

ESTATÍSTICAS

Dados do Ministério da Saúde apontam São Luís como a capital com menor índice de mulheres fumantes. Em relação ao sexo masculino, a cidade possui o terceiro menor público consumidor contumaz de tabagismo.

Pelas estatísticas do Ministério e levantamentos recentes da Semus, São Luís segue uma tendência mundial de declínio na estatística de fumantes. Por outro lado, nas unidades a demanda de público tem tido aumento crescente.

O atendimento do Programa Municipal de Combate ao Tabagismo está inserido na estratégia de assistência à pessoas que fazem uso de substância psicoativas. As atividades coletivas são organizadas pela coordenadoria de Saúde do Adulto. O atendimento é uniformizado nas unidades. O limite de 15 pessoas leva em consideração a eficácia do programa. Em São Luís, essa eficácia alcança 60% entre os grupos. A aproximação e periodicidade no atendimento tem levado a bons resultados.

Consultórios do Programa Municipal de Combate ao Tabagismo

Unidade de Saúde da Família Amar – Vila Vicente Fialho
Centro de Saúde Salomão Fiquene – Cohatrac IV
CAPs AD- Rua Raimundo Correa – Monte Castelo
Centro de Saúde São Raimundo – Vila Mauro Fecury
Centro e Saúde da Liberdade – Av. Epitácio Peixoto
Centro de Saúde da Vila Embratel – Rua 14
Centro de Saúde Turu- Turu
Hospital Presidente Dutra – Centro

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem