agencia

Notícias

Quarta-feira, 17/01/2018 - 14h40

Prefeitura orienta famílias moradoras de áreas de risco na Vila Lobão

Defesa Civil informou moradores sobre projetos de apoio à moradia e ressaltou a necessidade de saírem de locais considerados perigosos

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

As equipes visitaram residências da Rua Tomaz de Aquino construídas sobre encosta A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc), realizou, na manhã desta quarta-feira (17), visita a alguns pontos da Vila Lobão, identificados como áreas de risco, conforme mapeamento realizado pela Defesa Civil na capital. A ação teve como objetivo orientar famílias que vivem em casas edificadas próximas a encostas sobre a impossibilidade de continuarem no local bem como fazer o recadastramento delas para que sejam apoiadas por projetos como o Aluguel Social e programas habitacionais a exemplo do 'Minha Casa, Minha Vida'.

As equipes visitaram todas as residências ao longo da Rua Tomaz de Aquino, na Vila Lobão, construídas sobre uma encosta considerada de alto risco. Todas as casas visitadas já foram condenadas pela Defesa Civil Municipal e as famílias notificadas do risco iminente de deslizamento no local. Foram ainda orientadas sobre os programas sociais disponibilizados em apoio a situações do gênero.

Segundo o titular da Semusc, Breno Galdino, o trabalho realizado pela Defesa Civil na Vila Lobão tem caráter preventivo, a fim de proteger a vida das famílias que ali habitam e casos de possíveis sinistros. "A ação é um trabalho de rotina realizado anteriormente ao período mais crítico de chuvas intensas, previsto para os próximos meses. A iniciativa visa instruir os moradores sobre a impossibilidade de permanecer na área, fazer o ato de interdição e prestar toda a assistente às famílias junto aos órgãos de assistência social, no sentido de fornecer a elas o apoio necessário", afirmou Breno Galdino.

Ainda conforme o secretário, a iniciativa também visa identificar os pontos mais críticos, para que seja analisada a viabilidade de realização de obras de contenção de encosta, galerias ou outra intervenção na área com o propósito de evitar deslizamentos. A análise é feita pelo setor de Obras da secretaria.

Galdino informou ainda que, além desse trabalho, a Defesa Civil fará reuniões com os demais órgãos competentes para tratar da revisão do Plano de Contingência, de forma que o estudo esteja pronto a ser aplicado em caso de algum sinistro.

"As informações obtidas nas visitas realizadas pela Defesa Civil, como as que ocorreram na Vila Lobão, também vão subsidiar o nosso Plano de Contingência", acrescentou o secretário. O Plano de Contingência do Município estabelece os procedimentos a serem adotados pelos órgãos envolvidos na resposta a emergências e desastres, quando da atuação direta ou indireta em eventos relacionados a desastres naturais.

O trabalho das equipes na Vila Lobão foi coordenado pela superintendente municipal de Defesa Civil, Elitânia Barros. "Nós não obrigamos as famílias a saírem de suas casas. Nós identificamos os pontos de riscos, monitoramos permanentemente as áreas e orientamos as pessoas sobre os riscos iminentes de permanecerem no local. É um trabalho que fazemos o ano inteiro, por meio de visitas às casas construídas em áreas de encostas, palestras educativas, distribuição de folhetos informativos, entre outros materiais", observou a superintendente.

Uma das residências visitadas pelas equipes da Defesa Civil foi a da dona de casa Maria Domingas Martins, 50 anos. "A minha casa foi interditada. Moro aqui há duas décadas, mas sei que preciso sair o quanto antes, pois até as paredes já estão com rachaduras. As orientações prestadas pela Defesa Civil foram muito importantes para que entendêssemos o perigo que corremos se continuarmos na área', relatou a moradora.

Consciente de que também precisa sair da área, a doméstica Lurdes Carvalho, 33 anos, fala do trabalho realizado pela Defesa Civil. "As equipes conversaram com a gente e nos orientaram a sair daqui. Vamos agora buscar o aluguel social porque a vida da minha família é mais importante que tudo', disse a doméstica.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem