agencia

Notícias

Atualizado em 09/02/2018 às 15h28

Prefeitura intensifica campanha de prevenção às DSTs no período carnavalesco

Ações são realizadas em pontos de grande circulação de pessoas e também nos circuitos da festa, realizada pela Prefeitura e Governo

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Campanha tem como foco principal a prevenção de doenças combinando imunização, testagem e tratamentoCom tema "Vamos Combinar? Prevenir é Viver", a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), está desenvolvendo ampla campanha com ações voltadas à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), no período carnavalesco, na capital. As atividades desenvolvidas estão centradas em pontos estratégicos de grande circulação de pessoas, como praças, rodoviária, terminais de integração, Porto do Itaqui, entre outros locais, onde equipes de agentes de saúde prestam orientações, aconselhamento e distribuem preservativos e materiais informativos sobre as formas de prevenção às DSTs/AIDS e às Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). Nesta sexta-feira (9), os agentes de saúde desenvolveram as ações da campanha no Terminal Rodoviário de São Luís.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Lula Fylho, a campanha tem como foco principal a prevenção de doenças, mas atua também nas estratégias da 'prevenção combinada', que consiste na junção de diversas medidas profiláticas combinando a imunização, a testagem e o tratamento. Um exemplo é o caso da Profilaxia Pós Exposição ao HIV (PEP), utilizada para evitar a infecção pelo vírus da AIDS por meio do uso de medicamentos antirretrovirais, para reduzir o risco de contaminação em situações de exposição ao HIV.

A medida atende às diretrizes do Ministério da Saúde e é considerada uma urgência médica, devendo ser iniciada o mais rápido possível, até no máximo 72 horas após o contato com sêmen, sangue, fluidos vaginais ou outras formas de contágio. "Queremos que as pessoas brinquem o Carnaval com segurança e cuidados com a sua saúde, principalmente. Para isso, estamos intensificando as ações da campanha de prevenção às DSTs, destacando dezenas de agentes de saúde aos locais de grande circulação, para que possamos atingir o máximo de pessoas com nosso trabalho de orientação, aconselhamento e distribuição de preservativos, que ainda é a melhor forma de evitar o contágio de doenças sexualmente transmissíveis", frisou Lula Fylho.

AÇÕES

As ações acontecem desde o início do período pré-carnavalesco também, nos circuitos da Madre Deus, Centro Histórico e nas Unidades de Básicas de Saúde (UBS) junto às comunidades. A campanha tem como público-alvo jovens e adultos, na faixa etária entre 15 a 50 anos, sexualmente ativos, para estimular o uso da camisinha e outras medidas preventivas.

Durante o Carnaval, os agentes de saúde estarão também na Passarela do Samba, realizando a entrega de preservativos, materiais informativos, aconselhamentos sobre a importância da testagem do HIV, Sífilis. Hepatites B e C. As Unidades Básicas de Saúde estarão atendendo no período carnavalesco para a realização dos testes rápidos. As ações serão desenvolvidas pela Coordenação Municipal de DST/AIDS e Hepatites Virais e suas equipes de extensão formada pelos Centros de Testagem e Aconselhamento do Anil e do Lira e, também, pelo Centro de Saúde do Bairro de Fátima.

Para desenvolver com êxito a campanha de prevenção às DSTs no Carnaval e repassar orientações sobre as ações executadas no período, a Semus realizou oficinas de formação de multiplicadores e roda de diálogos sobre profilaxia pós-exposição ao HIV, destinada a profissionais do Serviço de Atendimento Móvel (Samu), da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Cruz Vermelha, lideranças comunitárias e populares, lideranças de movimentos jovens e estudantes.

Na rodoviária, à espera do seu embarque para o município de Chapadinha, onde passará o Carnaval com a família, a estudante Tais Martins, 20 anos, enalteceu a iniciativa da campanha. "Acho muito importante a campanha, principalmente para orientar os jovens, que geralmente perdem a medida de seus atos no Carnaval", disse a estudante.

O também estudante David do Nascimento, 18 anos, compartilha da opinião de Tais, sua companheira de viagem. "É sempre bem-vinda toda informação que puder ser repassada para orientar as pessoas a se protegerem contra doenças, muitas delas graves e letais, como a AIDS, por exemplo. E no Carnaval há mesmo essa necessidade de intensificar o trabalho de orientação e prevenção", concluiu ele.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem