agencia

Notícias

Quarta-feira, 02/05/2018 - 15h14

Prefeitura de São Luís reduz fila de cirurgias ginecológicas com mutirão no Hospital da Mulher

A ação integra a política municipal de saúde da gestão do prefeito Edivaldo; meta é realizar 600 procedimentos até junho reduzindo assim o tempo de espera das pacientes

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Hospital da Mulher avança no atendimento ginecológico e diminui fila de espera por cirurgiaCom a realização do Mutirão de Cirurgias Eletivas Ginecológicas no Hospital da Mulher, a Prefeitura de São Luís ampliou em cerca de 60% o número de procedimentos mensais realizados na unidade. Iniciado em março deste ano, sempre nos fins de semana, o mutirão já realizou cerca de duzentas cirurgias ginecológicas. Com a ação, o prefeito Edivaldo reforça o atendimento voltado para as mulheres na rede municipal de saúde. A meta do serviço é realizar 600 procedimentos cirúrgicos até junho próximo.

O mutirão integra a política municipal de atenção à saúde da mulher, desenvolvida na gestão do prefeito Edivaldo, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semus). Segundo o titular da Semus, Lula Fylho, além de reduzir significativamente a fila de espera por cirurgias ginecológicas na unidade, a ação representa um incremento nos cuidados com a mulher e na celeridade do tratamento das pacientes, dando respostas rápidas à solução de seus problemas na área ginecológica.

"Com as intervenções cirúrgicas efetivadas no mutirão, somadas às que são realizadas no cotidiano do hospital, estamos avançando muito na oferta de serviços de saúde voltado ao público feminino, na área ginecológica. A ação é uma iniciativa determinada pelo prefeito Edivaldo, que não tem medido esforços para ampliar os serviços na área", afirmou Lula Fylho.

De acordo com o diretor geral do Hospital da Mulher, Deosdete Fernandes da Silva, o mutirão tem gerado um aumento expressivo de atendimentos realizados na unidade. Ele afirma que, a média mensal de cirurgias ginecológicas realizadas na Casa é de aproximadamente 150 atendimentos. "Mas com o mutirão, conseguimos dar um grande salto na quantidade de intervenções cirúrgicas eletivas executadas na unidade, elevando para cerca de 240 atendimentos mensais", observou Deosdete Silva.

Cristiane dos Santos passou por procedimentos no Hospital da Mulher durante o mutirãoNo último fim de semana, o Hospital da Mulher realizou mais 25 intervenções cirúrgicas, fechando a meta programada pelo mutirão para os dois dias. As cirurgias ginecológicas realizadas pelo mutirão ocorrem sempre aos sábados e domingos.

Uma das pacientes atendidas no mutirão, no Hospital da Mulher, foi a professora Cristiane dos Santos, 28 anos. Ela realizou dois procedimentos ginecológicos em uma mesma cirurgia e solucionou os problemas de saúde que vinha enfrentando já há algum tempo. "Minha cirurgia foi ótima, fui muito bem atendida pela equipe e correu tudo bem nas duas intervenções que realizei", relatou ela.

Assim como Cristiane dos Santos, as mulheres beneficiadas pela ação são pacientes que já consultam na unidade e estavam em tratamento, à espera pela realização dos procedimentos. A ação inclui a realização de cirurgias ginecológicas como miomectomia, colecisteconomia, herniografia, perineoplastia, colpoperíneoplastia, hemioplastia, laparotomia, histerectomia, laqueadura, entre outros procedimentos.

A ação é composta por duas equipes formadas por cirurgiões, anestesistas, ginecologistas e enfermeiros. O mutirão conta, ainda, com equipe de apoio composta por nutricionistas, terapeutas ocupacionais e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que atuam em regime de plantão 24 horas.

AVANÇOS

Os investimentos da gestão do prefeito Edivaldo na área da saúde, em espacial no Hospital da Mulher, podem ser constatados no último relatório de indicadores de desempenho do hospital. Tendo como base os últimos três anos, o estudo aponta que a média de atendimentos multidisciplinares passou de 61 mil atendimentos por ano em 2015 para 131 mil em 2017.

O Hospital da Mulher, que até 2013 só oferecia serviços básicos ambulatoriais, passou a disponibilizar também, na gestão do prefeito Edivaldo, atendimentos de média e alta complexidade, com a implantação, inclusive, do setor de neurocirurgia e a ofertar outros serviços como o de diagnóstico e imagem, como tomografia computadorizada, eletroneuromiografia, ultrasson, raio x, entre outros exames. O Hospital da Mulher conta, atualmente, com 53 leitos, sendo 10 de UTI.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem