agencia

Notícias

Quinta-feira, 31/05/2018 - 11h57

Prefeitura de São Luís realiza ação formativa sobre tambor de crioula em 10 escolas municipais

Por meio do projeto Punga de Saberes, alunos da rede municipal puderam aprender e valorizar a manifestação cultural maranhense

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Durante a oficina os estudantes conheceram mais sobre o tambor de crioulaSaias estampadas rodopiam ao som da batida forte dos tambores. Esta é uma cena comum em arraiais juninos. Mas dessa vez os brincantes são alunos e o palco é a Unidade de Educacão Básica (U.E.B.) Hortência Pinho, situada na comunidade Coqueiro, zona rural de São Luís. A U.E.B. é a 10ª escola a receber oficina sobre tambor de crioula, que marcou o encerramento do projeto Punga de Saberes e aconteceu nesta quarta-feira (30). O projeto é promovido pela Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Secult) e Secretaria Municipal de Educação (Semed), em parceria com o Comitê Gestor de Salvaguarda do Tambor de Crioula e apoio do Conselho Municipal de Cultura (Comcult).

"A oficina marcou o término desta fase do projeto Punga de Saberes, uma iniciativa que vem fortalecer o tambor de crioula por meio de ações formativas em escolas municipais. O projeto valoriza nossa cultura local e contribui para a sua sustentabilidade na medida em que dissemina esse saber fazer para as novas gerações", destaca o secretário municipal de cultura, Marlon Botão.

Com carga horária de 8h, o evento proporcionou aos estudantes aprendizado sobre o que é a manifestação, o nome dos instrumentos usados, o papel de cada um na roda e experimentaram tocar a parelha (conjunto de tambores) e cantar algumas toadas, além de esquentar o couro dos tambores. Também teve oficina de dança com as coreiras, que mostraram o bailado e a punga ou umbigada – gesto característico, entendido como saudação e convite.

MESTREMestre de tambor de crioula Wanderlei de Jesus ensina sua arte na escola

A oficina foi facilitada por Wanderlei de Jesus Pereira, mais conhecido como Mestre Wanderlei, da comunidade Mocajituba 2, da área quilombola de Itamatatiua, no município de Alcântara. Ele tem 67 anos, 40 dos quais como mestre de tambor de crioula.

"Transmiti a esses alunos a minha linguagem, o meu cantar, o meu bater, além de levar lições de paz, amizade, respeito e muita alegria. Eles podem ter uma formação superior, mas vão saber tocar tambor. Para mim o tambor de crioula é tradição de raiz, me traz saúde e no meio da batucada vem a inspiração para as letras improvisadas das toadas", compartilha.

O evento teve a participação do Mestre Manelão, líder grupo do grupo de tambor de crioula Tijupá, e da coreira Antônia Costa, ambos moradores da comunidade Coqueiro. O Mestre Manelão também é dono e cantador do grupo de bumba meu boi Unidos do Coqueiro.

VALORIZAÇÃO

A coordenadora do Núcleo de Educação e Cultura da Semed, Joseana Lisboa, afirma que a cultura maranhense faz parte da proposta curricular da secretaria. "As crianças e adolescentes passam a se identificar com a escola a partir do momento em que esta valoriza a cultura local, abrindo as portas para atividades como a oficina. Esta é uma ação que desmistifica preconceitos e educa sobre história, arte e música, situando o tambor de crioula dentro do contexto cultural da cidade", explica.

Gleicinara Lira Alves, 16 anos, aluna do 7º ano, diz que gostou de todos os momentos da oficina. "Sempre adorei assistir às apresentações de tambor de crioula, mas nunca tinha dançado antes. É uma dança envolvente, que dá vontade de entrar na roda e rodopiar", revela.A aluna Gleicinara Alves destacou a importância da manifestação

PROJETO

O projeto Punga de Saberes foi aprovado no Edital Nacional para Bens Registrados do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e visa apoiar e fomentar o tambor de crioula, através de ações educativas, de formação e de transmissão de saberes tradicionais, disseminando essa manifestação cultural.

Ao todo foram atendidas 10 escolas da rede municipal de ensino na primeira fase do projeto. Além da U.E.B. Hortência Pinho, no bairro Coqueiro, foram realizadas ações nas escolas Ministro Mário Andreazza, na Liberdade; Galileu Clementino Ramos Santos, no bairro Cruzeiro de Santa Bárbara; e Estudante Edson Luís de Lima Souto, no Anjo da Guarda.

Também houve atividades na U.E.B. Professor José Gonçalves do Amaral Raposo e na Artur Nabantino Gonçalves de Azevedo, ambas localizadas em Pedrinhas; Rosário Nina, no Bairro de Fátima; Evandro Bessa, na Estiva; João do Vale, no bairro Gapara; e Professor Carlos Saad, na Vila Mauro Fecury I.

CONTINUAÇÃO

Na segunda fase, que está prevista para iniciar no segundo semestre de 2018, serão contemplados 60 professores e coordenadores pedagógicos. A terceira etapa vai acontecer em três comunidades (Fé em Deus, Bairro de Fátima e Taim), com o Circuito Saber Fazer Cultural.

O tambor de crioula é reconhecido como Patrimônio Imaterial do Brasil, é uma expressão cultural com descendência africana, considerada um referencial de identidade e resistência cultural dos negros, que envolve dança circular, canto e percussão de tambores. O projeto tem como um dos objetivos valorizar este que é um dos maiores bens culturais do Maranhão.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem