agencia

Notícias

Terça-feira, 26/06/2018 - 15h32

UNICEF e Prefeitura de São Luís promovem diálogo sobre gravidez e HIV/Aids na adolescência

Durante o Diálogo, os jovens e adolescentes se expressaram acerca das realidades enfrentadas diariamente

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

O Diálogo abordou temas como gravidez na adolescência, enfrentamento à Aids, sífilis e a garantia à livre orientação sexual na adolescência

Conhecer as realidades vivenciadas, analisar as causas da gravidez e do aumento do HIV/Aids na adolescência e definir ações conjuntas e elaboração de um Plano para Impacto Coletivo para garantir o desenvolvimento pleno de cada menina e cada menino. Esses foram alguns dos objetivos do 1º Diálogo Temático Intersetorial sobre Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos de Adolescentes. – gravidez, prevenção e tratamento do HIV/aids na adolescência, promovido nesta terça-feira (26) pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e pela Prefeitura de São Luís, no Espaço Orienta, no Renascença.

O Diálogo Intersetorial faz parte das atividades da Plataforma dos Centros Urbanos (PCU) 2017-2020, que tem como uma das prioridades a promoção do direito à saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes. O Diálogo abordou temas como gravidez na adolescência, enfrentamento à Aids, sífilis e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST) e a garantia à livre orientação sexual na adolescência. Na oportunidade, foram analisadas as desigualdades existentes dentro da capital para que haja atenção focada aos territórios e grupos mais afetados.

"Esta é a segunda vez que a Prefeitura participa da PCU. A gestão do prefeito Edivaldo elegeu as crianças e os adolescentes da nossa cidade como prioridade. Dessa forma, nossos profissionais estão engajados em mais um ciclo da Plataforma. A Semcas, como articuladora, envida esforços para assegurar a realização dos diálogos temáticos em conjunto com as demais políticas", argumentou a secretária adjunta de Gestão da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas), Nazareth Garcêz.

DADOS

Em 2016, por exemplo, mais de 17% dos nascimentos em São Luís foram de mães entre 10 e 19 anos. Ao todo, 1,8 mil crianças nasceram de mães nessa faixa etária, incluindo 99 nascimentos de meninas de até 14 anos. Nesse ano, enquanto no distrito do Calhau 6,67% dos bebês nasceram com mães de 10 a 19 anos, no distrito de Tibiri foram 24,46%, segundo o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos Municipal.

A Plataforma dos Centros Urbanos 2017-2020 é uma iniciativa do UNICEF, em cooperação com governos e parceiros, para promover os direitos das crianças e dos adolescentes mais afetados pelas desigualdades existentes dentro de cada cidade. Em cada município participante, estão sendo constituídos ou fortalecidos grupos de trabalho em torno das agendas temáticas prioritárias.

Para a coordenadora do escritório do UNICEF – São Luís, Ida Oliveira, esse é um momento importantíssimo, onde o público passa a ser protagonista, pois o debate é realizado em conjunto. "Os indicadores nos apontaram quais as temáticas a trabalhar no diálogo. Agora, com a contribuição de todos, incluindo o próprio jovem, iremos planejar ações e construir um plano, cuja a execução será acompanhada. São Luís está de parabéns por todo o trabalho que vem sendo feito aqui", explicou a coordenadora.

Durante o Diálogo, os jovens e adolescentes se expressaram acerca das realidades enfrentadas diariamente. Após uma análise das situações vivenciadas e dos desafios territoriais, foram debatidas estratégias para aprimorar os esforços existentes, e atuar de forma mais convergente em busca de melhores resultados na vida das meninas e dos meninos.

O jovem André Pereira, do Projeto Viva Melhor Sabendo Jovem, destacou essa forma de trabalho, onde o público em questão participa ativamente dos debates. "Eu fico muito feliz em perceber como nós estamos avançando. Diariamente, enfrentamos os desafios de dialogar com a sociedade e as famílias sobre questões que as pessoas acham que somos novos demais para tratar. Essa é uma oportunidade diferenciada", comemorou André.

O encontro contou com a participação de gestores e técnicos municipais das secretarias da Assistência Social (Semcas), Saúde (Semus) e Educação (Semed), Planejamento (Seplan), e representantes dos próprios grupos de jovens e adolescentes, de organizações não-governamentais e do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA).

É importante destacar que, no caso de São Luís, a PCU está trabalhando com grande ênfase a agenda relacionada aos direitos sexuais e reprodutivos e, por isso, conta com o envolvimento e engajamento do Viva Melhor Sabendo Jovem com a organização Solivida, por meio de Diálogo Temático. Neste sentido, o Diálogo vai trabalhar com: Prevenção a gravidez na adolescência; Prevenção às ISTs/HIV Aids, Hepatites e Sífilis; Direito à diversidade sexual e identidade de gênero.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem