agencia

Notícias

Terça-feira, 14/08/2018 - 17h08

Com implantação de Unidade de Beneficiamento de Resíduos, gestão Edivaldo impulsionará reciclagem

A ampliação se dará a partir da implantação de Pátio de Compostagem e Usina de Beneficiamento de Resíduos Inertes, em fase de licenciamento; serão recicladas mais de 7 mil toneladas de resíduos por mês em mais um avanço na política ambiental da Prefeitura

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Gestão de resíduos sólidos da Prefeitura se consolida e reciclagem chegará a 300 toneladas por diaÁrea em permanente processo de monitoramento ambiental, o Aterro da Ribeira terá um Pátio de Compostagem – para beneficiamento de resíduos orgânicos - e uma Usina de Beneficiamento de Resíduos Inertes – para a reciclagem de restos de construção civil. As duas unidades, que estão em fase de licenciamento, serão construídas pela Prefeitura de São Luís e integram a Unidade de Beneficiamento de Resíduos da Ribeira, fortalecendo a profissionalização da gestão de resíduos sólidos em São Luís, implantada na gestão do prefeito Edivaldo. O local terá capacidade para reciclar mais de 300 toneladas de resíduos por dia. Com o Pátio de Compostagem e a Unidade de Beneficiamento de Resíduos Inertes, o poder público municipal vai garantir que mais de 7 mil toneladas de resíduos sejam recicladas por mês.

A Unidade de Beneficiamento de Resíduos da Ribeira é resultado do encerramento das atividades de recebimento de resíduos sólidos no aterro, quando a Prefeitura iniciou um rigoroso processo de recuperação ambiental no local, antes conhecido por ser um lixão. Atualmente, São Luís já encaminha mensalmente cerca de 60 toneladas de resíduos sólidos para a reciclagem por meio dos 10 Ecopontos que estão em funcionamento. Entregues pela população, os resíduos recebidos nos Ecopontos são encaminhados para cooperativas de catadores que fazem a triagem e o encaminhamento para a reciclagem.

De acordo com a presidente do Comitê Gestor de Limpeza Urbana, Carolina Moraes Estrela, o funcionamento das duas unidades fortalecerá a economia em São Luís. "A reciclagem evita o desperdício de materiais e gera emprego e renda. Com a implantação de mais 10 Ecopontos até o fim do ano e a Unidade de Beneficiamento de Resíduos da Ribeira a Prefeitura de São Luís vai evitar o desperdício de resíduos sólidos, que poderão retornar à cadeia produtiva, diminuindo a demanda por matéria-prima e preservando o meio ambiente, além de economizar recursos", afirmou.

LICENCIAMENTO

O projeto de construção das duas unidades está em fase de licenciamento junto aos órgãos ambientais e de defesa do espaço aéreo. Os licenciamentos são fundamentais para garantir que além de atender ao que determina a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei Federal Nº 12.305/2010), as duas unidades estejam adequadas às normas do Ministério do Meio Ambiente e todas as normas ambientais e sanitárias vigentes, contribuindo para a proteção da saúde pública e da qualidade ambiental.

Também é importante que os projetos tenham a aprovação dos órgãos que cuidam da defesa do espaço aéreo. Atualmente, o Aterro da Ribeira passa por um permanente processo de monitoramento ambiental, incluindo o monitoramento da presença de aves na região. Com o encerramento das atividades de recebimento de resíduos sólidos no local, em julho de 2015, a presença de aves diminuiu na região e, consequentemente, o risco aeroviário, segundo dados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroviária (Infraero).

UNIDADE DE BENEFICIAMENTO DE RESÍDUOS DA RIBEIRA

A Unidade de Beneficiamento de Resíduos da Ribeira é a área que compreende a Estação de Transbordo, a Usina de Beneficiamento de Resíduos Inertes e o Pátio de Compostagem, as instalações administrativas e as instalações operacionais. A Estação de Transbordo já está em funcionamento e é o local onde ocorre a transferência dos resíduos do veículo que faz a coleta domiciliar nos bairros de São Luís para outro veículo com capacidade de carga maior, que transporta os resíduos recolhidos para a Central de Tratamento de Resíduos Titara, em Rosário, onde o resíduo urbano da capital é tratado, conforme todas as normas ambientais e sanitárias vigentes.

Carolina Moraes Estrela informa que com este projeto, a Prefeitura vai continuar atendendo os princípios da gestão sustentável dos resíduos sólidos urbanos por meio da destinação adequada dos resíduos. "A Política Nacional de Resíduos Sólidos estabelece uma ordem de prioridade para a gestão dos resíduos que é a não geração, a minimização, a reutilização e a reciclagem. Hoje, a gestão de resíduos em São Luís atende todos estes princípios, proporcionando melhores condições ambientais para a cidade e qualidade de vida para a população", informa.

PÁTIO DE COMPOSTAGEM

Resíduo gerado pelo serviço de capina também será utilizado no Pátio de Compostagem

O Pátio de Compostagem será a unidade onde serão beneficiados os resíduos orgânicos. Além de gerar resíduos orgânicos de restos de poda, São Luís também produz resíduos orgânicos da atividade de capina, que representam grande potencial de recuperação energética quando reciclados organicamente na compostagem. Ainda serão utilizados como matéria-prima no processo de compostagem os resíduos coletados provenientes de feiras livres e mercados públicos.

"Os insumos gerados a partir do beneficiamento dos resíduos orgânicos poderão ser empregados na agricultura familiar, fortalecendo ainda mais a economia circular na cidade, que atualmente já conta com o fortalecimento das cooperativas de catadores por meio dos Ecopontos, política que segue sendo ampliada, tendo 10 equipamentos já em funcionamento e outros 10 previstos para serem entregues ainda este ano", destaca Carolina Moraes Estrela.

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Já os resíduos inertes ou os resíduos da construção civil são aqueles provenientes de atividades de raspagem de logradouros e áreas livres, reformas, escavações, demolições e construções civis e outras atividades executadas por empresas privadas e pelos munícipes que geram: areia, pedras, terra, restos de tijolos, blocos, argamassas, vigas, lajes entre outros. Estes resíduos serão reciclados na Usina de Beneficiamento de Resíduos Inertes.

Segundo Carolina Moraes Estrela, o produto gerado a partir do beneficiamento destes resíduos poderá ser empregado em obras executadas pela Prefeitura de São Luís, além de ter outras finalidades. "Após o beneficiamento o produto gerado a partir destes resíduos poderá ser empregado em obras de pavimentação, por exemplo, permitindo a economia de recursos da administração municipal na área e ampliando este serviço à população", afirma.

SAIBA MAIS
O que é a compostagem?
Compostagem é o processo biológico de valorização da matéria orgânica, seja ela de origem urbana, doméstica, industrial, agrícola ou florestal, e pode ser considerada como um tipo de reciclagem do lixo orgânico. Trata-se de um processo natural em que os micro-organismos, como fungos e bactérias, são responsáveis pela degradação de matéria orgânica, transformando-a em húmus, um material muito rico em nutrientes e fértil. A compostagem ajuda na redução das sobras de alimentos, tornando-se uma solução fácil para reciclar os resíduos gerados nas residências. A compostagem orgânica não é uma prática nova, mas está ganhando popularidade ao passo que há uma tendência maior de preocupação com a sustentabilidade.

NÚMEROS
600 toneladas é a capacidade média mensal prevista de insumo que será produzido no Pátio de Compostagem
5.959,05 metros quadrados será a área total do Pátio de Compostagem
300 toneladas é a capacidade diária prevista de processamento da Usina de Beneficiamento de Resíduos Inertes
60 toneladas é a quantidade de resíduos sólidos que a Prefeitura de São Luís já encaminha para a reciclagem por meio dos Ecopontos

ESTRUTURA DO PÁTIO DE COMPOSTAGEM

O Pátio de Compostagem contará com um galpão de triagem, um escritório, um banheiro, uma área de lavagem, um pátio de compostagem, uma fossa séptica e uma área de descarga.

ESTRUTURA DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE RESÍDUOS INERTES
A unidade de processamento de resíduos inertes deverá ser composta de área e equipamentos para: seleção, triagem, trituração, classificação e armazenamento. O conjunto será alimentado por caminhões basculantes ou pás carregadeiras, de forma a que apenas a construção de uma base e muro de arrimo seja suficiente para alimentação da unidade.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem