agencia

Notícias

Sábado, 18/08/2018 - 11h23

Prefeitura abre todos os postos de saúde no Dia D de Vacinação garantindo ampla cobertura

Postos de saúde receberam público-alvo no Dia D Nacional de Mobilização contra o sarampo e a poliomielite; 63 unidades da rede disponibilizaram doses da vacina em toda a capital neste sábado (18)

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Prefeitura antecipou campanha e realiza ações para que a cobertura vacinal alcance meta do Ministério da SaúdeEm São Luís, a movimentação foi intensa nos 63 postos de saúde disponibilizados pela Prefeitura da capital para imunizar crianças de um ano a menores de cinco anos, público-alvo da campanha contra o sarampo e a poliomielite que teve o Dia D Nacional de Mobilização neste sábado (18). Para garantir a participação maciça do grupo prioritário, a Prefeitura de São Luís, por orientação do prefeito Edivaldo, desenvolveu diversas estratégias de atuação para intensificar os esforços na luta contra o retorno dessas doenças já erradicadas no município e aumentar a adesão à campanha que segue até dia 31 de agosto. 

Uma das ações executadas com esse propósito foi a realização do Dia D Municipal, um grande mutirão contra o sarampo e a pólio ocorrido no dia 4 deste mês. Outra estratégia adotada na capital foi a antecipação da campanha contra o sarampo e a poliomielite, iniciando a mobilização no município para a aplicação das doses no dia 23 de julho, ou seja, 15 dias antes do início da campanha nacional que começou dia 6 deste mês. Além dessas estratégias, a Prefeitura também disponibilizou equipes volantes de vacinação para fazer a aplicação das doses nas escolas e creches municipais, onde se concentra grande número de criança na faixa etária estabelecida pela mobilização. 

A abertura oficial do Dia D Nacional ocorreu no Centro de Saúde Clodomir Costa, no Anjo da Guarda e contou com a presença do secretário municipal de Saúde, Lula Fylho. "A gestão do prefeito Edivaldo esta imbuído nesse grande esforço de proteger nossa população contra essas doenças que têm representado grande perigo de voltar a acometer as pessoas. Para isso, a Secretaria de Saúde vai continuar empreendendo diversas estratégias de ação, atuando fortemente junto ao público-alvo da campanha, para que até dia 31 de agosto tenhamos a meta de cobertura vacinal plenamente atingida na capital", afirmou o titular da Secretaria Municipal de Saúde (Semus).

No início dos trabalhos de imunização no Centro de Saúde Clodomir Costa, o secretário Lula Fylho administrou a dose contra a pólio no pequeno João Miguel Sá, de 4 anos, um dos primeiros a chegar na unidade para receber a vacina, levado por sua mãe, a dona de casa Andréa Margarida Sá.

A meta de vacinação estabelecida para a capital maranhense pelo Ministério da Saúde é vacinar 95% do público-alvo total, que é algo em torno de 61.700 crianças. Até esta sexta-feira (17), dia anterior à mobilização nacional, as doses aplicadas contra a pólio somavam cerca de 24.517, representando aproximadamente 47% do público-alvo; e a vacinação contra o sarampo totaliza 24.338 doses, algo em torno de 47% do total estipulado.

“É um número considerado bom diante do que vem sendo observado em termos de adesão em outras cidades, mas queremos é fechar a meta totalmente e para isso vamos trabalhar intensamente para vacinarmos todas as nossas crianças na faixa etária estipulada pelo Ministério, pois o que queremos é ter nossa população protegida”, frisou Lula Fylho.

O secretário informou ainda que, na terça-feira (21), a Semus vai realizar uma reunião com toda a equipe de trabalho na área para fazer uma avaliação das ações desenvolvidas até o momento, reforçar as iniciativas que têm dado certo e traçar novas estratégias de atuação com o objetivo de atingir a meta estipulada para a capital maranhense.

IMUNIZAÇÃO

Ainda durante a abertura oficial do Dia D Nacional, o secretário Lula Fylho voltou a alertar para a necessidade do empenho dos pais ou responsáveis em levar as crianças aos postos de saúde para tomar as vacinas. “Somente a vacinação assegura a plena imunidade das crianças contra essas doenças gravíssimas, capazes de acometer sequelas irreversíveis e até mortes. Portanto, é extremamente necessário que os pais estejam atentos e priorizem a vacinação de seus filhos. Dessa forma, com o município e população juntos nesse esforço, conseguiremos atingir a cobertura vacinal preconizada pelo Ministério da Saúde", reforçou Lula Fylho.

Assim fez a corretora Cleitiane Rocha Bezerra, mãe da pequena Yasmim, 3 anos. Ela também chegou ao posto de saúde logo no início do mutirão nacional de vacinação. “Com doença não se brinca, ainda mais doenças que podem comprometer para sempre a vida de nossos filhos. Por isso, estou sempre atenta ao cartão de vacinação dos meus filhos e não deixo de levá-los em nenhuma campanha”, relatou ela.

Quem também não deixou passar a oportunidade de vacinar logo seus filhos na campanha foi a autônoma Cristina de Jesus Costa, que levou o caçula da família, Artur Ribeiro, 2 anos, para receber a dose de reforço contra o sarampo e a poliomielite. “Nada melhor do que ter nossos filhos sempre saudáveis e felizes. E se podemos preveni-los de doenças tão graves como estas não podemos vacilar. Eu jamais deixo de leva-los em todas as campanhas que realizam”, disse.

No caso do sarampo, a vacina também foi disponibilizada para pessoas até 49 anos de idade, outro grupo prioritário definido pelo Ministério da Saúde. A medida visa garantir que a população ludovicense continue livre dessas viroses altamente contagiosas. Há mais de duas décadas São Luís não tem nenhum caso destas doenças no município. Segundo a Semus, estados vizinhos ao Maranhão apresentaram registros, o que reforça a necessidade da vigilância permanente para o controle do problema e manter a capital livre destas doenças.

As vacinas são contraindicadas em casos de gripe muito forte e febre alta; crianças com imunodeficiência congênita ou adquirida; neoplasia maligna; e que estão em tratamento com uso de corticoides em doses elevadas ou quimioterapia e radioterapia.

SAIBA MAIS

A poliomielite, ou paralisia infantil, causa paralisia repentina que pode afetar das pernas até o corpo inteiro, comprometendo a respiração. A contaminação é por contato fecal-oral, objetos, alimentos e água com fezes de portadores ou ao falar, tossir ou espirrar.

O sarampo é uma doença altamente contagiosa e pode ser transmitida pelo contato com secreções. Os primeiros sintomas são parecidos com os da gripe, mas evoluem ainda para o aparecimento de manchas vermelhas pelo corpo.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem