agencia

Notícias

Domingo, 02/12/2018 - 10h43

Estudantes da rede municipal participam do espetáculo 'A Flauta Mágica', do projeto Ópera para Todos

Peça reuniu cerca de 300 alunos da Prefeitura de São Luís em apresentação sábado (1º); a produção do espetáculo é da educadora Ceres Murad, do Colégio Dom Bosco e une estudantes daquela instituição de ensino e da rede municipal

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Estudantes da rede municipal participam do espetáculo ’A Flauta Mágica’, do projeto Ópera para TodosCerca de 300 estudantes da rede municipal de ensino da Prefeitura de São Luís integraram o elenco da peça "A Flauta Mágica", de Wolfgang Amadeus Mozart, do projeto Ópera para Todos, idealizado pela educadora Ceres Murad, do Colégio Dom Bosco. A apresentação aconteceu neste sábado (1º), às 19h, no Ginásio Professor Luiz Pinho Rodrigues, anexo ao colégio, no Renascença. A ação uniu estudantes daquela instutição de ensino e alunos da rede municipal reforçando as ações de estimulo à educação e a arte desenvolvidas na gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior.

O autor de 'A Flauta Mágica', que compôs sua primeira peça aos 5 anos, aos 6 lia partituras e aos 11 compôs seu primeiro concerto, inspirou os estudantes das turmas de alfabetização do Dom Bosco e da U.E.B. Drª Maria Alice Coutinho e dos Anexos José Sarney e Luiz Pinho, unidades de ensino do município, que participaram da ópera.

"É muito importante que as crianças tenham acesso à arte erudita, que aprendam diversas vertentes culturais para ampliar horizontes, o que é incentivado dentro da politica de Educação colocada em prática na gestão do prefeito Edivaldo. A ópera tem um forte apelo emocional, e desperta para um novo mundo, constrói novos caminhos na formação das crianças", frisou o secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa.

A idealizadora do projeto, Ceres Murad, fez questão de agradecer toda a equipe de produção do espetáculo e pontuar que este é um projeto de educação. "A participação e dedicação de todos foi fundamental. Desde a equipe de montagem, até professores, coreógrafa e músicos pela dedicação. Este é um projeto de alfabetização diferenciado, que forma estudantes mais preparados para ler e escrever com mais sentimento e emoção", disse.

A ópera "A Flauta Mágica", de Mozart, acontece em dois atos e mostra as aventuras do Príncipe Tamino e do caçador de pássaros Papageno, em imaginárias terras do Egito em uma época distante, que, atendendo ao apelo da Rainha da Noite, tentam resgatar a princesa Pamina, sequestrada e presa em um castelo. Para cumprir essa missão, Tamino e Papageno recebem da Rainha da Noite, por intermédio das suas damas, um carrilhão e uma flauta, ambos mágicos, além de três gênios que serviriam de guias.

ENSAIOS

Para montar a ópera, as crianças começaram a ensaiar no mês de agosto, com um trabalho dedicado de gestores, coordenadores e professoras. Além de apoio técnico da regência instrumental de Paulo Cardoso, coreografia Concita Garcia e apoio do professor de música Adelson Tavares, que ensaiou as crianças das escolas municipais.

De acordo com a gestora da U.E.B. Maria Alice Coutinho, Luzinélia Ribeiro dos Remédios, nesses quatro meses as crianças realizaram diversas atividades relacionadas à ópera. "Foram realizadas atividades específicas sobre a temática, além dos ensaios. tivemos grande espetáculo no ginásio da escola Dom Bosco e ainda teremos a produção de um livro escrito e ilustrado pelas crianças sobre a ópera, com textos de autoria deles", disse, animada.

ARTISTAS

Para Ana Raquel Sousa Rodrigues, 7 anos, que interpretou a Papagena, o melhor de tudo foi tocar instrumentos e dançar. Já Gabriel Soares de Sousa, 7 anos, que interpretou o Sarastro, a história da ópera foi o que mais chamou a atenção, mas ele gostou das coreografias. "A história é muito boa, mas gostei mais da coreografia, das posturas do meu personagem", revelou.

Daniele Santana da Cruz , mãe de Danilo, do 2º ano da U.E.B. Maria Alice Coutinho, disse que os ensaios foram bons para acabar com a timidez do filho. "Ele era muito tímido, mas aprendeu muita coisa nesses meses e mudou bastante o comportamento dele, pra melhor", pontuou.

Katia Lira, mãe de Luan Bento, 2º ano, disse que o filho surpreendeu na apresentação. Ele é envergonhado, mas no palco não demonstrou. As aulas de interpretação, de música e as coreografias ajudaram muito no desenvolvimento dele", disse.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem