agencia

Notícias

Terça-feira, 04/12/2018 - 09h18

Com o período das chuvas, Prefeitura reforça monitoramento em áreas de risco na capital

Como ação preventiva, Defesa Civil Municipal vistoria áreas como as do Sá Viana e Vila Embratel com a finalidade de prevenir problemas que possam afetar moradores especialmente em ápoca de chuva; ação é realizada periodicamente pela gestão do prefeito Edivaldo

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Agentes da Defesa Civil vistoriam casa de moradora do Sá VianaA Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc), via Defesa Civil Municipal, está reforçando as ações executadas periodicamente pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, no que concerne ao trabalho de prevenção ao período chuvoso na capital. Desde o início desta semana equipes da Defesa Civil Municipal realizam vistoria técnica em moradias de áreas consideradas de risco em regiões da cidade, entre elas, a do Itaqui-Bacanga. Entre os bairros visitados estão Sá Viana e Vila Embratel.  A ação está sendo feita com base no mapeamento destas áreas com fins a prevenir e solucionar problemas que possam afetar moradores. 

O trabalho faz parte do planejamento continuado da Defesa Civil Municipal e foi intensificado devido as fortes chuvas iniciadas na última semana quando em algumas regiões o volume de chuva chegou a 223mm, em menos de 12 horas, ocasionando pontos de acúmulo de água. Bairros como Altos do Calhau, Primavera, Coroadinho, Piancó, Tomázinho e Fumacê são áreas que recebem atenção das equipes de monitoramento. O alerta é para mais chuvas nos próximos dias. 

O secretário municipal da Semusc, Heryco Coqueiro, destaca que a ação é feita de forma constante, seguindo orientação do prefeito Edivaldo. "O objetivo da Prefeitura é garantir a segurança, desenvolver ações sociais e de prevenção aos que residem nessas áreas. Assim, seguido orientação do prefeito Edivaldo, elaboramos um plano de contingência para ações nas quais sejam necessários fazer atendimento nos locais e também deslocamento de pessoas", frisou o secretário.

"Orientamos a população e mostramos que as equipes estão atentas. Em caso de ocorrências, os moradores podem nos acionar. Permaneceremos, por orientação do prefeito Edivaldo, em campo nas áreas mapeadas, com especial atenção às que requerem ações urgentes e vamos manter essa logística enquanto as previsões do tempo apontarem para riscos de fortes chuvas", reforça a superintendente da Defesa Civil Municipal, Elitânia Barros.

A casa da estudante Nayara Neves Vieira, 19 anos, foi uma das vistoriadas pelas equipes. A rua onde a jovem mora foi uma das que registrou acúmulo de água durante às forte chuva da última semana. "A presença de Defesa Civil aqui traz mais segurança, porque eles sempre orientam o que fazer quando temos problema com as chuvas", pontuou a jovem.

Na casa da quebradeira de coco, Flaviana Melônio, 59 anos, as obras de reforma estão mais aceleradas por conta da proximidade do período. Parte do imóvel já recebeu entulho e ela foi orientada pelas equipes da Defesa a priorizar ambientes da casa onde a família convive com mais frequência. "A gente já começou a arrumar tudo e sabe que quando chove forte pode ser um problema. Se Deus quiser vamos concluir a obra logo", disse.

Durante a ação, os fiscais aplicam questionário aos moradores para obterem informações como sobre o número de pessoas ocupantes da residência, situação dos imóveis e ocorrências que por ventura tenham causado qualquer dano.

PROBLEMAS

Segundo Elitânia Barros, os principais problemas identificados durante as vistorias são imóveis em áreas de encostas e propensas à deslizamentos e alagamentos; por trás de barreiras e em terrenos bastante acidentados. Além de problemas estruturais (rachaduras, fissuras e outros que atingem a estrutura física dos imóveis) e questões sociais como as moradias em palafitas. Os dados coletados orientam órgãos de referência para as medidas necessárias.

O planejamento envolve secretarias municipais e apoio de parceiros como a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Exército. O relatório com dados atualizados do mapeamento geológico das áreas e das situações de risco está em fase de levantamento para posterior divulgação. O trabalho foi elaborado em conjunto com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), órgão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Somado ao trabalho técnico com as vistorias e monitoramento das áreas, a Defesa Civil Municipal promove ações educativas junto aos moradores, durante o processo de levantamento das informações. As equipes orientam as famílias sobre os perigos e como agir em caso de possíveis deslizamentos ou desabamentos.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem