agencia

Notícias

Quarta-feira, 06/02/2019 - 15h45

Comissão do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca realiza escutas públicas

Participam dos encontros agentes públicos e entidades da sociedade civil, além de estudantes que contribuem com as discussões e coletas de informações para a construção do Plano Nacional do Livro e Leitura

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Comissão do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca realiza escutas públicasA Comissão do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas de São Luís (PMLLLB) está realizando escutas públicas com a participação de agentes públicos, estudantes e entidades da sociedade civil voltados às discussões e coletas de informações para a construção do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL). A comissão é formada por representantes das secretarias municipais de Educação (Semed), Turismo (Setur), entre outras instituições públicas municipais, além de organizações da sociedade civil, como a Rede de Bibliotecas Comunitárias Ilha Literária e o Fórum Permanente do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Maranhão.

Instituída oficialmente no fim de 2017, por decreto municipal, a comissão realizou, em 2018, vários encontros para planejamento e consolidação das ações: fóruns, rodas de conversas, e pesquisas para subsidiar a construção do plano. Agora, as escutas públicas completam o conjunto de ações planejadas pela comissão de elaboração do plano para a consolidação do mesmo.

O titular da Semed, Moacir Feitosa, tem acompanhado as ações da comissão e enviado representantes para participar das reuniões e escutas públicas. "Trata-se de um momento importantíssimo para o setor do livro e literatura da cidade de São Luís, onde estão sendo construídas as bases da principal política pública que irá orientar as ações para o setor. Então, sob recomendação do prefeito Edivaldo, temos nos feito representar com o maior número possível de servidores, para garantir uma contribuição efetiva na consolidação de um plano que contenha as reais necessidades dos cidadãos de São Luís no que diz respeito à democratização do acesso ao livro, leitura, literatura e bibliotecas", assinala Moacir Feitosa.

A bibliotecária Thaís Rodrigues, integrante da comissão de elaboração do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas de São Luís, explica como será a próxima etapa após a realização das escutas públicas. "Vamos sistematizar todos os dados e informações coletados para montarmos a minuta que vai ser levada para apreciação do Fórum Permanente do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, e em seguida para a Câmara Municipal de São Luís, onde passará por audiência pública e demais processos necessários para sua aprovação".

A dinâmica das escutas públicas seguem quase sempre a mesma linha,  com um breve bate-papo, a apresentação dos eixos do Plano Nacional do Livro e Leitura que vão contextualizar e orientar a construção do Plano Municipal, e em seguida o diálogo para a coleta de informações e sugestões. Thaís Rodrigues informa ainda que a primeira escuta pública foi realizada na Feira do Livro de São Luís no ano passado, em novembro.

Diferente de outros planos municipais já oficializados no Brasil, a comissão de elaboração do Plano Municipal de São Luís quer construí-lo já com dotação orçamentária. E, além dos quatro eixos do Plano Nacional do Livro e Leitura, que são "Democratização do acesso", "Fomento à leitura e à formação de mediadores", "Valorização simbólica da leitura", e "Fomento à cadeia produtiva e criativa", o Plano Municipal deverá conter um quinto eixo, que trata da "Diversidade e acessibilidade".

ESCUTAS 

Nesta terça-feira foram realizadas algumas escutas. Pela manhã, das 10h às 12h, o encontro foi no auditório Viriato Corrêa, Casa de Cultura Josué Montello, no Centro de São Luís. As demais aconteceram na sede da Associação Maranhense de Escritores Independentes (AMEI), localizada no São Luís Shopping, e na Biblioteca Pública Benedito Leite, na Praça Deodoro (ambas à tarde); e, à noite, a escuta aconteceu às 19h, na Livraria Saci Pererê, na rua Virgílio Domingues, no São Francisco.

A condução dos trabalhos na manhã de terça-feira (5), na Casa de Cultura Josué Montello, foi feita pelo bibliotecário, mestre em Cultura e Territorialidade, Jailton Lira, membro do Observatório das Bibliotecas. E, entre os vários representantes da Secretaria Municipal de Educação, estavam Amanda Vasconcelos e Rachel Serra, bibliotecárias da Coordenação do Livro Didático da Semed.

Amanda Vasconcelos falou sobre o projeto de revitalização das bibliotecas escolares municipais e da importância da participação da sociedade na construção do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas. Já Rachel Serra falou da excelente participação dos estudantes. "O plano não poderia deixar de ter o olhar do estudante, um dos principais alvos do documento", observa a bibliotecária.

A educadora e mediadora de leitura Ilmara Lima, da Rede de Bibliotecas Comunitárias Ilha Literária, que congrega 15 bibliotecas dos polos Coroadinho e Cidade Operária, fez questão de participar da escuta pública. "Temos o maior interesse em aprovar este Plano Municipal, que vem agregar vantagens e visibilidade para o nosso trabalho, com perspectivas ainda de apoio a projetos sociais de incentivo à leitura em comunidades de baixa renda", assinalou Ilmara.

Na segunda-feira (4), foram realizadas escutas públicas na Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Newton Neves, na Vila Palmeira, com a participação de mais de 50 estudantes do 7º e 8º ano, além de docentes e servidores administrativos da unidade. Escuta semelhante foi realizada nesta quarta-feira (6), na U.E.B. Jackson Lago, na Cidade Operária, com a participação de estudantes do 6º ao 9º ano, com presença de alunos de outras escolas da comunidade e lideranças locais.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem