agencia

Notícias

Sábado, 29/06/2019 - 10h18

Alunos da Prefeitura de São Luís são formados em projeto de prevenção ao uso de drogas e contra a violência

Com faixa etária entre 9 e 12 anos, 640 estudantes do 5º ano da rede municipal de ensino de 10 escolas da zona rural de São Luís foram formados no Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Alunos da Prefeitura de São Luís são formados em projeto de prevenção ao uso de drogas e contra a violênciaA proteção da vida de meninos e meninas da zona rural de São Luís conta há três anos com um importante instrumento de prevenção e informação, o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD). Na manhã desta sexta-feira (28) foi realizada a formatura de 640 estudantes, com faixa etária entre 9 e 12 anos, no Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana, no bairro Cohafuma. São alunos do 5º ano da rede municipal de ensino de 10 escolas do Núcleo Rural da Prefeitura de São Luís. O programa é parte da política educacional implantada pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior.

O PROERD é resultado da parceria entre a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Governo do Estado, via Secretaria de Segurança Pública e Polícia Militar do Maranhão e o Consórcio de Alumínio do Maranhão (Alumar). Foi uma grande festa que além de celebrar a formação dos alunos, comemorou os 183 anos da Polícia Militar do Maranhão e os 17 anos de atuação do programa no estado. Durante o evento, o secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa, destacou a importância de abordar a temática da prevenção do uso de drogas para proteção da vida e erradicação de situações de violência envolvendo crianças e adolescentes.

"Dizer não às drogas é um ato de sabedoria, de inteligência e de preservação à saúde. Felizmente podemos acompanhar de perto nossos alunos e com o apoio desse projeto ampliar a nossa capacidade de ensinar esses meninos e meninas a ficarem longe dessas substâncias tóxicas tanto pela via do consumo, quando da criminalidade do tráfico", afirmou.

As atividades do PROERD são pautadas no Livro do Estudante, que trazem 10 lições e portanto promovem 10 encontros com os alunos na própria escola. Além das aulas teóricas, eles realizam exercícios práticos com dramatizações, tarefas feitas em casa com o apoio das famílias e uma redação final para que possam expressar de forma escrita sobre suas experiências e sobre o aprendizado adquirido.

Na solenidade de formatura, os alunos que se destacaram na produção dos textos foram homenageados e três deles puderam ler suas redações para todo o público presente. Entre eles a estudante Kerolyne Cristina Ribeiro, que destacou a metodologia que incentiva a tomada de decisões positivas. "Eu aprendi muito com o PROERD. Como aluna aprendi que é errado usar drogas e que as pessoas devem ser responsáveis. Aprendi sobre a tomada de decisões e prometo compartilhar o que aprendi com meus colegas".

Para o Major Wellington Rodrigues Veras, secretário da Coordenação Estadual do programa, os resultados são percebidos em cada mensagem de agradecimento vinda dos alunos, pais e professores. "O relato dos pais e professores apontam que estamos no caminho certo. Recebemos mensagens de alunos que já passaram pelo programa e hoje, já adultos, nos dizem que levam para vida o aprendizado que tiveram no projeto. Acreditamos muito no trabalho que fazemos, por conta desse feedback que temos com a comunidade. Esse trabalho traz um ganho muito grande para nós policiais porque nos aproxima da sociedade dentro da filosofia de polícia comunitária que utilizamos", disse.

Gestores, professores e pais presentes na solenidade comemoravam junto aos alunos o encerramento de um ciclo de muito aprendizado. A diretora Sherlene de Araújo, da U.E.B Artur Azevedo, localizada em Pedrinhas, acompanha há três anos a implementação do projeto na escola e destaca seu papel de prevenção. "Sabemos que as drogas estão dentro do contexto social dessas crianças e o projeto contribui para mantê-las distantes do uso dessas substâncias, até mesmo porque nessa fase de 9 a 12 anos elas passam por um momento de transição, da infância para a adolescência. E é nesse momento que muitos deles são aliciados a entrar na rede da criminalidade do tráfico de drogas. Nesse sentido o programa tem sido fantástico".

Dona Bianca Aguiar, mãe de Nicholas Samuel e Ruan Vinícios, concorda. "Meus dois filhos já participaram do projeto. Eu vejo que é uma forma de reforçar o que já ensinamos em casa, faz com que eles vejam que é importante se manterem longe das drogas e respeitarem mais os coleguinhas, terem um relacionamento mais saudável na escola". Ela conta que o filho Nicholas, por exemplo, já ajudou um amigo que era vítima de bullying e que vem multiplicando o que aprendeu.

A solenidade contou com também a participação da coordenadora estadual do PROERD no Maranhão, Coronel Maria Augusta Ribeiro; do diretor da Alumar, Helder Teixeira; representantes do Governo do Estado, da Polícia Militar e da equipe da Semed.

MAIS SOBRE PROERD

O PROERD tem o objetivo de capacitar as crianças e adolescentes para tomar decisões à frente de situações que envolvam drogas e violência. Para isso, o programa parte da concepção de que a integração entre a família e a escola e o empoderamento dos estudantes com informações são as principais formas de resistir.

O Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência é a adaptação brasileira do programa norte-americano Drug Abuse Resistence Education (Dare), surgido em 1983. Em inglês, a palavra "Dare" significa "Ousar". No Brasil, o programa foi implantado em 1992 pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e hoje é adotado em todo o país.

No Maranhão foi implantado em 2002 no município de Santa Inês e hoje é realizado em mais de 140 município, com alcance de mais de 420 mil crianças. Em São Luís, o PROERD atua em 36 escolas da zona rural e até o fim do ano pretende formar em média 2 mil alunos.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem