agencia

Notícias

Sábado, 19/10/2019 - 08h38

Em mais uma edição, Feira do Livro de São Luís se consagra como evento de fomento à cadeia produtiva do livro e estímulo à leitura

Sétima edição promovida pelo prefeito Edivaldo, evento reúne leitores, escritores e livreiros em uma programação diversificada, voltada para todas as idades e que se estende até domingo (20)

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Feira do Livro de São Luís se consagra como evento de fomento à cadeia produtiva do livro e estímulo à leituraA Feira do Livro de São Luís (FeliS), a cada ano, se consagra como o maior evento de fomento ao livro e à leitura do Maranhão. Sendo esta a sétima edição promovida pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior, o evento que ocorre no Multicenter Sebrae até domingo (20), traz como preceito a valorização da literatura e de tudo o que orbita em seu entorno. A programação, pensada de forma a destacar a cadeia produtiva deste setor, contempla escritores, leitores, livreiros e adeptos do imenso universo da leitura.

"A Feira do Livro coloca à disposição do público uma programação diversifica pensada para agradar pessoas de todas as idades .  Assim, o evento fomenta o mercado editorial e livreiro, bem como estimula a prática da leitura. Temos muita satisfação em promover um evento que só enriquece nossa cidade, fazendo circular bens culturais e também girando a economia da cidade", disse o prefeito Edivaldo. 

O secretário de Cultura, Marlon Botão, destacou o volume de obras expostas nesta edição da Feira. "Nesta edição da Feira do Livro de São Luís, 300 editoras estão com obras expostas em 70 estandes, cerca de 150 mil livros serão apresentados e é esperado um alcance de volume de venda de livros em média de R$ 2 milhões. Esse fato faz da FeliS um evento que fomenta a cadeia produtiva do livro e incentiva a leitura", comenta o secretário.

No local, os estandes das editoras e livrarias locais e regionais, estão oferecendo obras a preços acessíveis e estão conseguindo conquistar o público, especialmente o infantil e o adolescente. “Tivemos um bom movimento nos primeiros dias e a expectativa é de que melhore neste fim de semana, com o encerramento da Feira. O que mais temos vendido são os livros infantis, mas há um bom público para séries e romances”, destacou o vendedor da Conal, livraria de Teresina, no Piauí, Victor Reis da Silva.

Visitando a 13ª FeliS deste ano, vindo em caravana do município de Vargem Grande, o pequeno Pedro Henrique Medeiros dos Anjos, de 11 anos, aluno do Instituto Farina, aproveitou a Feira para renovar seu estoque de revistas. “Gosto destas que têm jogos e brincadeiras, mas as histórias também são muito legais”, destacou.

“No período da manhã e tarde está saindo mais livros infantis, brinquedos educativos e jogos pedagógicos, por causa da presença de várias escolas na Feira. As vendas estão boas, no geral. Temos literatura a partir de R$ 5,00. São livros de romances, ficção, revistas e até o mangá japonês”, ressaltou Nilson Almeida, vendedor da Distel Livraria.

A movimentação das livrarias locais tem correspondido às expectativas do setor. “Vendemos mais livros infantis e artigos de entretenimento como palavras cruzadas e jogos, mas também estamos vendendo literatura clássica, que está com preços populares e acaba saindo bem”, revelou Antônio Nonato Martins, vendedor da Livraria Socorro, que tem lojas no bairro Caratatiua e no Shopping Rio Anil.

Destaque ainda para a literatura alternativa, como o cordel, muito popular no Nordeste. “O movimento está dentro das nossas expectativas. Tivemos uma resposta muito boa, até agora, do público que curte a literatura de cordel”, revelou Hamurábi Batista, filho do cordelista Abraão Batista, autor da maioria das obras expostas em seu estande. Batista veio de Juazeiro do Norte, no Ceará, trazendo na bagagem muito cordel, xilogravuras e artesanato. “A interação com o setor da cultura aqui é muito boa. Recebi convite para ministrar uma oficina de xilogravura para cordel, depois de encerrar os trabalhos aqui na Feira”, completou.

O evento também estimula o fortalecimento da política pública de incentivo à leitura, com atividades lúdicas especialmente pensadas para agradar às crianças e, assim, formar novos leitores. Nas sessões de contação de histórias, por exemplo, é comum se observar o encantamento dos pequenos perante as narrativas de clássicos da literatura infantil ou de lendas locais e nacionais.

Esta edição da FeliS também estimulou a troca e o intercâmbio entre autores locais e nomes nacionais como das escritoras Djamila Ribeiro e Conceição Evaristo e o do poeta angolano Lopito Feijó que proferiram palestras para auditórios lotados de leitores, fãs e interessados em literatura e temas comuns ao evento.

FEIRA

A 13ª FeliS tem como tema “O Brasil atemporal na obra de Aluísio Azevedo”, destacando vida e obra do caricaturista, jornalista, romancista e diplomata ludovicense, maior representante do naturalismo na literatura brasileira e autor de obras como "O Mulato", "O Cortiço" e muitas outras.

Ao longo dos 10 dias de evento, foram realizadas oficinas, palestras, debates, rodas de conversas, exposições, contações de histórias, espetáculos, recitais de poesias, sessões de cinema entre outras atividades na sua vasta programação.

A Felis tem o apoio do Serviço Social do Comércio (Sesc), Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), Sesi, Governo do Maranhão, Vale, Associação dos Livreiros do Estado Maranhão (Alem), Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Instituto Federal do Maranhão (IFMA), Academia Maranhense e Ludovicense de Letras, Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, Gasmar e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Consolidada como o maior evento cultural e de fomento à leitura do Estado do Maranhão, a Feira do Livro de São Luís foi concebida com o objetivo de incentivar a tradição literária e cultural da capital maranhense, propiciar o maior acesso ao livro, estimular a formação de novos leitores e incentivar as cadeias produtivas e criativas em torno do livro e da mediação da leitura. A previsão é de que mais de 10 mil alunos da rede pública estadual e municipal participem do evento, que prevê ainda a participação de caravanas espontâneas de 14 municípios do Estado.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem