agencia

Notícias

Sexta-feira, 18/10/2019 - 15h29

Feira do Livro de São Luís amplia seu alcance e leva atividades a um número maior de instituições nesta edição

Extensão FeliS já foi realizada em 15 locais, levando programação artística; mais de 30 escolas foram contempladas com rodas de conversas com escritores

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Feira do Livro de São Luís amplia seu alcance e leva atividades a um número maior de instituições nesta ediçãoA 13ª Feira do Livro de São Luís, realizada pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior, chega aos seus últimos dias de programação. Ao todo, mais de 600 atividades acontecerão até domingo (20), data que encerra o evento. Uma das novidades deste ano é a ampliação da Extensão FeliS, que visitou 15 locais levando programação artística, e mais de 30 escolas com rodas de conversas com escritores, no Proseando na FeliS. Neste fim de semana as visitas continuam, sendo sábado (19) a contação de história “Eu conto e você encanta” com Rosana Fernandes, na Comunidade Vila Dom Luís, e domingo (20) a contação de história “Tapete Contos” com a Cia Tapete Criações Cênicas, no Projeto Inclusive Praia, ambos às 9h. No Multicenter Sebrae, a programação acontece das 10h às 22h.

“A Feira do Livro de São Luís sempre foi extensiva às escolas, com o Proseando com a FeliS, projeto que contempla as escolas da rede pública municipal, estadual e comunitárias, e é um projeto permanente da Semed em parceria com o Sesc. No ano passado foi se pensando em ampliar para instituições carentes ou de alguma dependência, como, por exemplo, hospitais. Visitamos as alas infantis ou asilos, que têm crianças e idosos que, às vezes, não saem, então levamos a FeliS até eles”, explicou o secretário municipal de Cultura, Marlon Botão.

A coordenadora artística da 13ª FeliS e responsável pela Extensão FeliS, Leury Monteiro contou como é grande a procura das instituições para receber a programação. “A extensão permite contemplar instituições que já receberam programação no ano passado e incluir novas. Estas entidades nos procuram e pedem para ser beneficiadas. As pessoas ficam sabendo das ações em algum hospital, por exemplo, e já nos buscam para também receber. Nós visitamos, por exemplo a APAE pelo segundo ano consecutivo. Desde que fomos no ano passado, eles criaram uma expectativa de voltarmos este ano, colocaram no calendário de atividades deles e já sinalizaram a parceria para serem contemplados novamente em 2020. Percebemos que além da expectativa para a FeliS, as instituições já ficam esperando a extensão também”.

“A extensão contempla lugares como asilos, hospitais, associações carentes, de acolhimento de pessoas que não são da cidade, mas que por algum tratamento estão aqui, entre outras. É a primeira vez que iremos também para uma comunidade, onde eles se articularam e nos pediram para levar programação. Na Vila Dom Luís será em uma praça e vai levar cultura para toda comunidade. Também incluímos as escolas comunitárias da Rede Leitora. É uma parte da Feira, o projeto tem uma recepção maravilhosa e hoje é uma das nossas grandes realizações por ver o quando ele atingiu e faz a diferença na vida de quem recebe. Outra novidade é a distribuição e sorteio de livros nos lugares visitados que era algo que pediam muito”, completou Leury Monteiro.

Estão entre os contemplados este ano: Reforço Instituto Lápis na Mão, Hospital Juvêncio Matos, Hospital Universitário Materno Infantil, Semente da Esperança – Coroadinho, Colégio Nossa Senhora da Conceição – Cidade Olímpica, Biblioteca Municipal José Sarney, Asilo de Mendicidade, Fundação Antônio Bruno, Associação Carente São Benedito, APAE, Centro de cuidados Renais da Unidade Presidente Dutra, Escola Comunitária Cauane Mateus, Circo Escola – Cidade Operária, Comunidade Vila Dom Luís e Projeto Inclusive Praia.

Além das escolas públicas: Anexo I - Prof. Luís Pinho Rodrigues, Anexo III – ISEMA, U.E.B. e Anexo Pequeno Polegar, CE Maria Helena Duarte, CE Pio XII, CE Vicente Maia, CEIN Barjonas Lobão, Centro de Ensino Liceu Maranhense, Colégio Nossa Senhora da Conceição (Cidade Olímpica), Escola Comunitária Cauane Mateus, Escola de Música do Estado do Maranhão - Lilah Lisboa de Araújo, Escola Mônica Vale, Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - Iema (Marista), U.E.Bs. Alberto Pinheiro, Dr. Neto Guterres, Jornalista Neiva Moreira, Justo Jansen, Ministro Mário Andreazza, Neto Guterres, Pedro Marcosine Bertol, Ronald Carvalho, Elzuila Abreu, Galileu Clementino Ramos Santos e Thomaz de Aquino Andrade.

Estes locais receberam oficinas, rodas de conversa, contações de história e visitas de escritores convidados para bate-papo, como Djamila Ribeiro (SP), Conceição Evaristo (MG) Cristóvão Tezza (PR) e Lopito Feijó (Angola) e as programações artísticas: Baú de História - Grupo Xama Teatro, Bosques das Palavras e Cantarolando contos – Camila Reis, Chicorina Catirico – Tâmara Fernandes, Eu conto e você encanta – Rosana Fernandes, Quem conta encanta – Marlucie Emily, Show de Mágica – Jeif Karaf e Tapete Contos – Companhia Tapete Criações Cênicas.

JUVENTUDE

Outro atrativo da 13ª Feira do Livro de São Luís é o Espaço Juventude. Nesta quinta-feira (17), o local focou suas atividades para o público jovem, apresentando palestras, seminários, rodas de conversas, e até lançamento de livros. A programação do dia contou também com sessões de cinema, visita ao planetário e apresentações teatrais.

Durante a tarde, foi realizada a roda de conversa ‘A Depressão na Juventude: O que fazer?’, ministrada pela jornalística e socióloga, Érica Roberta. “Foi uma atividade muito interessante, com bastante interação com os jovens falando um pouco das suas realidades, e de pessoas que eles conhecem que têm depressão, que vem matando muitos brasileiros. Logo, abordar e desmistificar temas como esse é uma iniciativa fundamental”, ressaltou a jornalista.

O enfoque na juventude preza pela garantia de oportunidades de debates abordando temas importantes para a geração atual, como empreendedorismo, suicídio e depressão, além de apresentações culturais como poesias e capoeira. A iniciativa já recebeu cerca de 15 escolas, e até o final do evento, a estimativa é que promova atividades e debates para mais estudantes e jovens, que é o público-alvo das atividades.

A conversa foi realizada com a Unidade Básica de Ensino (U.E.B) Luzenir Mata Roma, onde a estudante de 13 anos, do 9º ano, Echiley Fernanda falou sobre sua experiência com aquele debate. “Eu gostei muito quando focaram na questão de nunca guardar tudo pra gente, que devemos sempre falar com quem confiamos, e principalmente ouvir”.

Vitória de Jesus, de 14 anos, e também do 9º ano destacou a experiência de visitar pela primeira vez a Feira do Livro. “Nós já vimos algumas apresentações e livros, e eu estou gostando muito, além de achar muito importante os temas das palestras que estamos assistindo, tudo está sendo muito interessante”.

Logo em seguida, o espaço contou com mais apresentações culturais da cidade, como a capoeira, buscando estreitar ainda mais as características da cultura local com uma nova geração de cidadãos, e reforçar a riqueza de costumes, tradições, músicas e cultura da cidade de São Luís. A Coordenação Municipal de São Luís, que é responsável pelo espaço, está presente desde o início da Feira, e desenvolve de forma paralela a função de elaborar e ouvir o público em seus bairros e escolas, com o apoio da Fundação da Criança e do Adolescente (FUNAC) e a Entidades Sociais.

O coordenador do Espaço da Juventude, Lucivaldo Lopes destacou a importância do local para os estudantes. “Além de oportunizar a visibilidade dos jovens, que é um ator social que colabora para o desenvolvimento da cidade, mostra que todos são protagonistas da situação e que o poder público deve ouvir”. 

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem