agencia

Notícias

Quarta-feira, 06/11/2019 - 09h49

Centro de Capacitação em Culinária Típica implantado pelo prefeito Edivaldo propicia oportunidade para qualificação na área da gastronomia

As capacitações gratuitas são realizadas quinzenalmente; na desta semana os participantes aprenderam pratos tendo como principal ingrediente o sururu

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Centro de Capacitação em Culinária Típica implantado pelo prefeito Edivaldo valoriza a formação na área da gastronomia

O sururu foi o produto típico maranhense que serviu de base para a nona oficina Sabores da Terra, do Centro de Capacitação em Culinária Típica criado pelo prefeito Edivaldo Holanda Junior. A oficina, realizada no Museu da Gastronomia Maranhense, onde o centro está instalado, reuniu alunos inscritos gratuitamente para mais esta edição. As capacitações  promovidas pela Prefeitura de São Luís ocorrem quinzenalmente. Com as oficinas a gestão municipal tem ampliado a qualificação na área da gastronomia com reflexo na geração de emprego e renda. 

A secretária municipal de Turismo Socorro Araújo, assinalou a importância das oficinas como geradoras de oportunidades de renda para atuantes do setor e para os que desejam ingressar no ramo da alimentação. “A gestão do prefeito Edivaldo trabalha pela preservação do patrimônio. E, preservá-lo é entendê-lo em um contexto maior. A gastronomia faz parte do patrimônio. São Luís é patrimônio cultural da humanidade e temos que trabalhar a cada dia para preservar este título. Se compreendemos seu valor, se preserva. Esse trabalho tem o apoio irrestrito do prefeito Edivaldo que enxerga essas oficinas como uma grande oportunidade que as pessoas têm de adquirirem trabalho e renda”, ressaltou a secretária Socorro Araújo.

Além de aprender receitas que têm como principal ingrediente produtos típicos maranhenses, os participantes, no primeiro dia do evento, têm oportunidade de conhecer mais sobre a história da culinária local por meio de palestra. As palestras são proferidas por instrutores da Setur sobre aspectos da arquitetura e história da cidade de São Luís e sua projeção mundial como detentora do título de patrimônio da humanidade conferido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Também faz parte da oficina um passeio pelos vários ambientes do Museu da  Gastronomia,  espaço é rico na sua arquitetura colonial e também no quesito imaterial - a arte, cultura e a culinária maranhense - presentes em seus ambientes. 

A oficina desta semana foi concluída com aplicação, na prática, de conhecimentos da gastronomia regional sob orientação da chefe de cozinha Minelvina Santos, instrutora da Escola de Gastronomia do Senac. Das receitas que tomaram como produto base, os alunos preparam dois pratos: sururu ao leite de coco e torta de sururu, bastante apreciados na culinária típica maranhense. Os dois pratos foram acompanhados com arroz branco temperado com cheiro verde.

A instrutora Minalvina acredita que o prazo de realização das oficinas é suficiente para a aprendizagem. “Trabalhamos com os ingredientes mais simples, mas se o aluno pretender acrescentar alguma sofisticação oriento neste sentido para que, assim, o prato adquira mais charme. Mas o tempo é suficiente para que a pessoa aprenda a executar a receita”, afirma a instrutora do Senac, parceiro do programa de capacitação do Museu da Gastronomia Maranhense.

Todos os alunos inscritos na oficina desta semana eram mulheres que atuam no setor da alimentação ou pretendem fazer parte deste universo. A estudante da gastronomia do Uniceuma, Gardênia Costa, 34 anos, é funcionária de uma rede de supermercado da cidade como auxiliar de cozinha. Ela participou pela primeira vez da oficina de capacitação do Museu da Gastronomia. “São cursos deste modelo que permitem que se aprenda ainda mais sobre a gastronomia. Achei interessante que a capacitação trabalha os ingredientes da culinária maranhense. E são pratos desta culinária que despertam maior curiosidade nos visitantes e também nos nossos conterrâneos”, disse Gardênia, moradora do residencial Turu.

“Quando você cozinha com amor e se empolga para fazer um prato típico com qualidade, certamente o resultado será o melhor possível. Esse curso é gratificante em todos os aspectos. Só temos a agradecer a Prefeitura. Estão dando oportunidade de crescermos como profissionais”, comentou a aluna Silvia Andrade.

Para Íris Silva, o curso oportuniza a aprendizagem de conhecimentos sobre São Luís, além de contribuir em uma futura geração de renda. “Nós aprendemos a história e  também sobre os alimentos que fazem parte da cultura. As receitas que aprendi com certeza vão contribuir em um negócio futuro no ramo alimentício de qualquer pessoa que participar”, disse. 

A produtora da Guaaja Tiquira, Margot Stinglwagner, participou da oficina e aproveitou para saber mais sobre a história e também outros alimentos produzidos no Maranhão. “A Tiquira é um verdadeiro patrimônio do Maranhão, e nós buscamos valorizar esta qualidade da tiquira, de ser típica do nosso Estado. Muito bom poder trabalhar e ver outras pessoas buscando também a valorização do que é nosso”, explicou.

As oficinas do Museu da Gastronomia Maranhense são abertas ao público e possuem vagas limitadas. As inscrições sempre são feitas no Museu e as datas das oficinas são divulgadas por meio dos canais oficiais da Prefeitura de São Luís - redes sociais e veículos de comunicação de São Luís. O Museu da Gastronomia Maranhense possui um rico acervo histórico do Estado e fica localizado na Rua da Estrela, Nº 83 - Centro.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem