agencia

Notícias

Atualizado em 04/02/2015 às 19h34

Prefeitura de São Luís avança no projeto de urbanização da bacia do Bacanga

Na ação foram demolidas casas situadas em área de risco de alagamento e inundações nos bairros do Sá Viana, Jambeiro e Piancó

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

As famílias que viviam nas casas já estão residindo em unidades habitacionais doadas pela Prefeitura

Para acessar a galeria de fotos dessa matéria clique aqui

Uma ação conjunta das secretarias municipais de Urbanismo e Habitação (Semurh), Projetos Especiais (Sempe) e de Obras e Serviços Públicos (Semosp), deu início nesta quarta-feira (04) a demolição das casas situadas em área de risco de alagamento e inundações nos bairros do Sá Viana, Jambeiro e Piancó. A medida integra as ações do Programa de Recuperação Ambiental e Melhoria da Qualidade de Vida da Bacia do Bacanga. As famílias que viviam nas casas já estão residindo em unidades habitacionais doadas pela Prefeitura.

"Estamos aqui para atender a solicitação da Sempe e hoje demos início às demolições dos imóveis construídos nessa área onde será desenvolvido o projeto de urbanização da bacia do Bacanga. Nessa primeira etapa serão 13 casas demolidas. Anteriormente, essas casas alagavam no período chuvoso e antes de iniciarmos as demolições, as secretarias dialogaram com a comunidade e em comum acordo os moradores foram remanejados para o Residencial Piancó", declarou o secretário Adjunto de Fiscalização da Blitz Urbana, Rubemar Marques.

O especialista Socioambiental da Sempe, José Antônio Lopes, explicou que os donos das casas demolidas já estavam cientes da ação e isso evitou qualquer incidente por parte dos moradores. "Em muitas casas quando a Blitz Urbana chegou para fazer a demolição já haviam apenas as cercas, pois os moradores tiveram a liberdade de tirar tudo das casas antes da derrubada" destacou José Lopes.

A ação foi acompanhadas por moradores do local e se mostraram interessados em aderir a nova etapa do reassentamento, que deve ser iniciada em "Vendo tantos vizinhos indo para um lugar melhor eu também fiquei interessada" revela a moradora Karla Almeida Dias, mãe de três filhos. "A vontade de sair aumenta com a chegada desse período de chuva", completou.

Reassentamento - A primeira etapa do reassentamento foi realizada de forma voluntária. Das mais de 600 famílias mapeadas e cadastradas pelo Programa, 108 já estão reassentadas no Residencial Piancó VII e VIII.

"Para mim essa foi uma mudança pra melhor, pois antes eu e minha família vivíamos praticamente dentro da água, e por duas vezes perdi muitas coisas que tinha dentro de casa e agora estou morando numa casa própria, com documentação, num condomínio com segurança, escola e quando chove eu não me preocupo mais. Na verdade só sei que está chovendo quando abro a janela", afirmou a dona de casa Laurença Maria, uma das que aderiram ao reassentamento de forma voluntária.

O secretário da SEMPE, Gustavo Marques afirmou que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior, realizou a entrega das chaves na última semana do ano de 2014 e que as 108 famílias contempladas têm recebido o acompanhamento da equipe da Sempe. "Estamos verificando que a prefeitura está mudando positivamente a vida de muitas famílias", observou o secretário acrescentando que os apartamentos do Residencial Piancó foram uma das alternativas encontradas pelo Programa Bacia do Bacanga para reassentar esses moradores. "A nossa meta é realiza o dobro de reassentamentos na próxima etapa", esclareceu Gustavo Marques.