agencia

Notícias

Atualizado em 19/02/2015 às 17h00

Prefeitura Realiza o Monitoramento da Água do Lago do Bacanga

O monitoramento da qualidade da água do lago do Bacanga, que é uma das ações do Programa de Recuperação Ambiental e Melhoria da Qualidade de Vida da Bacia do Bacanga.

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

As duas coletas em fevereiro de 2014 e de 2015, apontaram que o lago não possui contaminação com metais pesados

Clique aqui e veja a galeria de fotos desta matéria

A Prefeitura de São Luís, através da Secretaria Municipal de Projetos Especiais (SEMPE), realiza desde 2014 o monitoramento da qualidade da água do lago do Bacanga, que é uma das ações do Programa de Recuperação Ambiental e Melhoria da Qualidade de Vida da Bacia do Bacanga.

O Secretário Municipal de Projetos Especiais, Gustavo Marques, explica que a necessidade dessa consultoria se deu em virtude das obras e intervenções que a Prefeitura vem realizando ao longo do Canal do Rio das Bicas, que deságua no Lago do Bacanga. "É necessário fazermos o monitoramento da qualidade da água do lago para saber quais os impactos positivos que as intervenções estavam causando, pois essa é uma preocupação permanente do prefeito Edivaldo" explicou o secretário.

O monitoramento do Lago do Bacanga tem como objetivo fornecer uma visão geral da qualidade das suas águas e acompanhar a evolução de parâmetros físico-químicos, microbiológicos, hidrobiológicos e a fauna planctônica. A previsão é que até o final do ano sejam realizadas um total de quatro coletas em épocas diferentes englobando o período chuvoso e de estiagem.

As duas coletas em fevereiro de 2014 e de 2015, apontaram que o lago não possui contaminação com metais pesados. "Quando contratamos essa consultoria para realizar o trabalho de coleta e analise da água esperávamos encontrar índices de cádmio (espécie de metal pesado), devido a grande quantidade de oficinas situadas na proximidade do Lago, mas o resultado nos mostrou que a água encontra-se livre dessa substância", explicou o especialista socioambiental da Sempe, José Antonio Lopes.

De acordo com o engenheiro químico responsável pela analise, Márcio Castro, o diagnóstico prévio aponta para um Lago diretamente impactado pelos despejos domésticos e comerciais em seus afluentes, além do descarte inadequado de lixo, prejudicando a sua balneabilidade e elevando a presença de substâncias nocivas a comunidade aquática. Também foi comprovado que o regime de abertura das comportas afeta diretamente nos níveis de qualidade da água melhorando-a em vários aspectos.

Segundo José Antonio Lopes, espera-se que com a execução das obras de drenagem do canal do coroado e do canal do rio das bicas na margem direita do bacanga e de implantação de rede de esgotamento sanitário na margem esquerda (Vila Embratel, Sa Viana, Piancó) previstas no Programa Bacia do Bacanga e com a recuperação e normalização da operação da Barragem do Bacanga, estes efeitos possam ser minimizados, melhorando a qualidade da água do lago.

Ao final do monitoramento, um relatório consolidado será emitido, fornecendo todas as informações levantadas pela consultoria contratada, a respeito da qualidade da água do Lago do Bacanga após as obras de intervenções na área.